Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

14/12/2017 - 17h18min. Alterada em 14/12 às 17h44min

Estados Unidos decretam fim da neutralidade da rede

Regra proibia que provedores bloqueassem ou reduzissem velocidade de sites

Regra proibia que provedores bloqueassem ou reduzissem velocidade de sites


MARCO QUINTANA/JC
Folhapress
Em votação na Comissão Federal de Comunicações (FCC) dos Estados Unidos, nesta quarta-feira (14), foi repelido o princípio de neutralidade da rede na internet. A neutralidade, que também existe no Brasil, determina que provedores de internet não podem entregar conteúdo com velocidades diferentes, ou impor bloqueios -reservando uma velocidade maior ao Netflix e menor ao download de vídeos por outros sites, por exemplo. 
A regra foi adotada no governo Obama para proibir que os provedores de acesso de alta velocidade à internet bloqueassem ou reduzissem a velocidade de acesso a sites ou cobrassem um adicional de seus assinantes por streaming e outros serviços de internet da melhor qualidade. 
A votação da FCC teve três votos favoráveis e dois contrários à proposta. A norma entra em vigor 60 dias após a publicação, o que deve acontecer em breve. 
Os beneficiários claros da decisão seriam gigantes das telecomunicações como a AT&T e a Comcast, que há anos pressionam contra a regulamentação da banda larga e passariam a ter muito mais controle sobre as experiências online dos consumidores americanos. 
Os perdedores seriam sites de internet que teriam de se submeter às empresas de telecomunicações para levar seu conteúdo aos consumidores. E os consumidores poderão ter de pagar mais por serviço de internet de boa qualidade. 
No Brasil, o Marco Civil da Internet, sancionado em 2014 e regulamentado em 2016, determina que haja neutralidade da rede.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia