Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

crédito

Alterada em 14/12 às 12h40min

Demanda do consumidor por crédito sobe 1,4% em novembro, mostra Serasa

A procura do consumidor brasileiro por crédito em novembro cresceu pela sétima vez consecutiva. De acordo com o Indicador Serasa Experian, houve elevação de 1,4% no penúltimo mês do ano no confronto com novembro de 2016. Em relação a outubro, a alta foi de 1,3%. No ano até novembro, a demanda por crédito acumula expansão de 4,2%.
O sétimo aumento seguindo na comparação interanual do indicador mostra que os consumidores, principalmente aqueles com rendimento mais baixo, estão retornando ao mercado de crédito, conforme os economistas da Serasa. Essa volta, segundo eles, reflete o alívio na inflação, a queda na taxa Selic, o início do processo de retomada do emprego e aumento da confiança.
O crescimento de 1,4% na demanda por crédito em novembro em relação a igual mês de 2016 foi puxado por consumidores que recebem até R$ 500, que apresentou alta de 23,4%. Contudo, nas demais classes houve queda.
Para aqueles que recebem entre R$ 500 e R$ 1.000, o declínio na procura por crédito foi de 0,5%. Entre o segmento com salário de R$ 1.000 a R$ 2.000, o recuo foi de 1,2%.
Para os consumidores que ganham entre R$ 2.000 e R$ 5.000 por mês, a retração foi de 1,3%, a mesma queda apurada para aqueles que recebem de R$ 5.000 a R$ 10.000. Entre os consumidores com renda mensal superior a R$ 10.000, a demanda por crédito caiu 0,7% em novembro no confronto com o mesmo mês de 2016.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia