Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Notícia da edição impressa de 14/12/2017. Alterada em 13/12 às 22h48min

Bolsa fecha em queda de 1,22% e dólar futuro sobe com fala de Jucá

O mercado acionário brasileiro teve dois momentos distintos ontem, confirmando o cenário de volatilidade dos últimos dias. Pela manhã, o Índice Bovespa subiu até 1,09%, embalado pela definição do segundo julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e pela decisão do PSDB de fechar questão em favor da reforma da Previdência. À tarde, um conjunto de fatores tirou o fôlego do índice, que chegou a cair 1,69% após notícia de um acordo para adiamento da votação da reforma da Previdência para fevereiro. Ao final do pregão, o índice teve queda de 1,22%, aos 72.914 pontos.
O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), informou sobre um entendimento para adiar a votação da reforma para fevereiro. Segundo ele, a decisão estava "conversada" entre os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, reagiu às afirmações de Jucá, não reconheceu o acordo anunciado e disse que existe a possibilidade de adiamento da votação, mas que o objetivo do governo é votar a proposta na próxima semana.
Apesar da aceleração da queda do Ibovespa após as declarações de Jucá, a notícia do acordo para adiamento da votação na Câmara em nada surpreendeu o mercado, cujas análises já indicavam serem remotas as chances de o governo conseguir avançar na reforma neste ano. As afirmações de Meirelles chegaram no final do pregão e tiveram pouca interferência nos negócios, favorecendo apenas o afastamento do Ibovespa das mínimas do dia.
Os contratos futuros de petróleo chegaram a operar em alta pela manhã, mas inverteram a tendência à tarde, influenciados pelo relatório misto do Departamento de Energia (DoE), que mostrou queda dos estoques de petróleo bruto e alta dos de gasolina, bem acima das expectativas. As ações da Petrobras oscilaram ao sabor do petróleo ao longo do dia e acabaram por acelerar o ritmo de queda na última hora, em sintonia com o restante do mercado. Ao final do pregão, os papéis da Petrobras tiveram perdas de 1,54% (ON) e 2,00% (PN).
Outras ações de controle estatal, sensíveis ao risco político, também tiveram perdas superiores à média do mercado. Banco do Brasil ON recuou 2,40% e Eletrobras PNB, 2,68%.
No mercado de câmbio, o dólar futuro para janeiro acelerou os ganhos depois que o senador Romero Jucá anunciou o acordo para adiar a votação da reforma da Previdência para fevereiro. O dólar negociado para janeiro, que vinha oscilando entre o campo positivo e o negativo, reagiu imediatamente e firmou alta com sucessivas máximas, atingindo R$ 3,3375 (0,75%). Já o dólar no mercado à vista fechou em queda de 0,10%, a R$ 3,3228.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia