Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado de capitais

Notícia da edição impressa de 13/12/2017. Alterada em 12/12 às 21h32min

Ata do Copom cita a importância das reformas

Na ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada ontem, os membros do colegiado voltaram a fazer uma defesa das reformas econômicas encaminhadas pelo atual governo. Segundo eles, "a aprovação e implementação das reformas, notadamente as de natureza fiscal, e de ajustes na economia brasileira são fundamentais para a sustentabilidade do ambiente com inflação baixa e estável, para o funcionamento pleno da política monetária e para a redução da taxa de juros estrutural da economia, com amplos benefícios para a sociedade".
Ao mesmo tempo, o Copom retomou a ideia, presente em outros documentos divulgados nos últimos meses, a respeito da importância de "outras iniciativas que visam aumento de produtividade, ganhos de eficiência, maior flexibilidade da economia e melhoria do ambiente de negócios". "Esses esforços são fundamentais para a retomada da atividade econômica e da trajetória de desenvolvimento da economia brasileira", pontuaram os membros do colegiado.
Na ata, os integrantes do colegiado também reiteram aspectos relacionados à comunicação do Banco Central, como a "preferência por explicitar condicionalidades sobre a evolução da política monetária, o que melhor transmite a racionalidade econômica que guia suas decisões".
De acordo com o BC, "isso contribui para aumentar a transparência e melhorar a comunicação do Copom". Assim, os membros "voltaram a ressaltar que o processo de flexibilização continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação".
Outro trecho da ata informa que, ao debaterem os próximos passos com relação a alterações na taxa Selic, os membros do colegiado chegaram a um consenso em manter a liberdade de ação do comitê, mas sinalizando que o atual estágio do ciclo recomenda cautela na condução da política monetária.
Na semana passada, a instituição cortou a Selic (a taxa básica de juros) em 0,50 ponto percentual, de 7,50% para 7,00% ao ano.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia