Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

previdência

Alterada em 12/12 às 12h40min

Única razão para votar contra reforma é preservar privilégios, diz Temer

Presidente disse que não há argumentos para que parlamentares governistas não apoiem a proposta

Presidente disse que não há argumentos para que parlamentares governistas não apoiem a proposta


EVARISTO SA/AFP/JC
Folhapress
Sem votos para aprovar a reforma da Previdência, o presidente Michel Temer fez nesta terça-feira (12) uma cobrança pública à base aliada e afirmou que não há argumentos para que parlamentares governistas não apoiem a proposta.
Na posse da nova diretoria da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), o peemedebista disse que a única justificativa possível para ser contra a iniciativa é a manutenção de privilégios para servidores públicos que ganham mais de R$ 5.000.
"A única razão seria, bom, não voto pela reforma previdenciária porque ela alcança os servidores públicos que ganham mais de R$ 5.000, que é o teto", disse. "Quando tiver de dar explicação, é porque vota a favor daqueles que são privilegiados ou que se utilizam de certas demasias do nosso sistema", acrescentou.
Segundo ele, são "mentiras" as versões de que a reforma previdenciária prejudica os agricultores familiares, as camadas mais pobres e as pessoas com deficiência física. "Quando você, deputado e senador, aprova ou desaprova uma proposta, você escolhe as suas razões. Cada um que vota tem a sua explicação", disse.
Com dificuldades para reverter apoios, Temer já tem admitido a possibilidade da votação da proposta apenas em fevereiro, o que aumenta as chances de uma derrota em plenário.
Mesmo com a expectativa pessimista, Temer tem feito um último esforço para evitar que ela fique para o ano que vem. Nesta terça-feira (12), ele promoverá encontro com investidores e empresários para pedir ajuda. O objetivo é que eles pressionem parlamentares indecisos da base aliada a votarem a proposta na próxima semana.
Na segunda-feira (11), o presidente ordenou que as pastas da Saúde, Cidades e Integração Nacional agilizem para até a próxima semana a liberação de emendas parlamentares travadas desde o mês passado. Segundo a reportagem apurou, só na Saúde o montante é de pelo menos R$ 500 milhões em reformas de unidades hospitalares e entrega de ambulâncias.
Nas últimas semanas, integrantes da base aliada vinham reclamando que emendas parlamentares empenhadas na época da votação das denúncias contra o presidente não tinham ainda sido executadas.
No discurso aos ruralistas e pecuaristas, o presidente ressaltou que seguiu conselho de aproveitar a sua baixa popularidade, que chegou aos 3%, para "fazer o que o Brasil precisa". "Muitas vezes dizem que eu protejo os ruralistas e pecuaristas. Eu não protejo, são os ruralistas e pecuaristas que protegem a economia nacional", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia