Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 07/12 às 10h45min

Cobre opera em alta, ainda em recuperação após queda acentuada na 3ª feira

O cobre opera com ganhos nesta quinta-feira (7), no segundo dia consecutivo de recuperação, após sofrer uma forte queda na terça-feira. Às 10h10min (de Brasília), o cobre para três meses avançava 0,77%, a US$ 6.601 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). O contrato de cobre para março tinha alta de 0,39%, a US$ 2,9730 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), às 10h28min.
Após as vendas do início da semana, o cobre parece dar sinais de consolidação, segundo Alastair Munro, corretor da Marex Spectron.
Os contratos também são apoiados por uma reportagem da Bloomberg segundo a qual a produtora chinesa de metais não ferrosos Tongling reduz sua capacidade de fundição para cumprir com normas ambientais, aponta em nota o IMG. A companhia terá de cortar entre 20% e 30% de sua capacidade anual de 800 mil toneladas.
Esses fatores têm influenciado o cobre, mas os preços seguem vulneráveis, de acordo com William Adams, analista de metais da fastmarkets.com. "Nós na verdade vemos isso mais como uma correção da realização de lucros", comentou Adams. "Os mercados, porém, parecem preocupados com o crescimento menor na China e, enquanto essa visão prevalecer, bem pode haver mais baixas."
Agora, investidores aguardam também os dados da balança comercial da China, previstos para a sexta-feira.
Entre os metais básicos negociados na LME, o zinco subia 0,36%, a US$ 3.101 a tonelada, o alumínio recuava 0,35%, a US$ 2.016,50 a tonelada, o estanho tinha alta de 0,26%, a US$ 19.475 a tonelada, o níquel caía 0,14%, a US$ 10.815 a tonelada, e o chumbo recuava 0,06%, a US$ 2.508,50 a tonelada. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia