Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 07/12 às 09h37min

Petróleo opera em alta, recuperando-se em parte da queda forte de ontem

Os preços do petróleo avançam na manhã desta quinta-feira (7), após fecharem na sessão anterior em patamar fraco. Às 9h31min (de Brasília), o petróleo WTI para janeiro subia 0,38%, a US$ 56,17 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para fevereiro tinha alta de 0,60%, a US$ 61,59 o barril, na ICE.
"Isso é apenas uma reação técnica, após a queda de ontem", afirmou Eugen Weinberg, diretor de pesquisa em commodities do Commerzbank.
Os contratos do Brent e do WTI recuaram bem mais de 2% ontem, pressionados após o relatório de estoques de petróleo na última semana dos Estados Unidos. O Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) informou que houve um aumento de 6,8 milhões de barris nos estoques de gasolina, na semana encerrada no dia 1º. Além disso, a produção atingiu patamar recorde nos EUA, a 9,707 milhões de barris por dia.
Weinberg disse esperar que os preços continuem a apresentar tendência de queda nos próximos meses, por causa da maior produção americana. Segundo ele, o fator mais importante no mercado agora não é a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), mas a produção de xisto nos EUA.
Na semana passada, a Opep decidiu estender um corte na oferta de petróleo, a fim de equilibrar o mercado. A iniciativa reúne também países de fora do cartel, como a Rússia. Os contratos receberam um pequeno impulso com a decisão, mas ela já havia sido contabilizada pelos investidores. Os preços do petróleo subiram mais de 20% desde setembro, diante do maior nível de cumprimento do acordo liderado pela Opep e também de riscos geopolíticos no Oriente Médio.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia