Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Bancos

06/12/2017 - 16h56min. Alterada em 06/12 às 17h43min

Governo gaúcho adia venda de ações do Banrisul

Governo recuou alegando condição do mercado e disse que avaliará no futuro a venda

Governo recuou alegando condição do mercado e disse que avaliará no futuro a venda


JONATHAN HECKLER/Arquivo/JC
Patrícia Comunello
O governo estadual divulgou nota em seu site na tarde desta quarta-feira (6) que "decidiu adiar a venda de ações do Banrisul em virtude das condições desfavoráveis de mercado". Segundo a nota, a decisão final sobre a oferta de quase todas as ações ordinárias e preferenciais sem perder controle acionário, anunciada em outubro, dependerá de novas avaliações técnicas que estão sendo feitas.
O governo informa que a mudança sobre o rumo da oferta será feita em Fato Relevante a ser publicado pelo Banrisul. A venda foi anunciada para gerar caixa para aliviar a situação financeira do caixa estadual. O banco já havia começado a estruturar a operação e estava na fase de análise e avaliação de potencial de venda. Já o governador José Ivo Sartori (PMDB) apostava no caixa para conseguir pagar a folha do funcionalismo de dezembro e 13º salário de 2017, 
O analista  chefe da Geral Investimentos, Carlos Müller, observa que a principal ação negociada na BM&FBovespa, a BRSR6, recuou 20% entre 3 outubro, um dia antes do anúncio da intenção de venda feito em ato no Palácio Piratini, e esta quarta-feira (6). O papel valia R$ 17,30, chegou a ter algumas valorizações, mas a tendência de queda se manteve, recuando a R$ 14,28 nessa terça-feira (5). "Com esta desvalorização, a arrecadação seria muito menor (com a venda). Por essa ótica, ficou bem mais complicado fazer a venda agora", concluiu Müller.
Já as ações ordinárias - o papel BRSR3, que têm pouco volume sendo negociado pois o Estado detém 99,58% desse capital, tiveram valorização desde 4 de outubro, o que poderia turbinar eventual oferta, agora adiada. O papel subiu 22,18%. "O valor de mercado subiria de R$ 2,6 bilhões para R$ 2,9 bilhões", estima Müller. O analista chefe da Geral ressalta que não são apenas as ações do Banrisul que experimentam período de baixa. Papéis de outros bancos também caíram. A ocorrência de mais ofertas de companhias no mercado também poderia reduzir a liquidez e tornar menos atrativa a aquisição dos papéis do banco gaúcho, complementa Müller.  
O Piratini iria vender 128 milhões de ações, sendo 99,2 milhões delas ordinárias e as 28,8 milhões restantes, preferenciais. No cômputo geral do capital social do banco, a participação do governo cairia dos 56,97% atuais para uma fatia em torno de 25,5%. No anúncio, o valor de mercado estava em R$ 2,7 bilhões, com o nível de valorização do dia 4 de outubro. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia