Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 06/12 às 16h53min

Maioria das Bolsas da Europa cai; Londres sobe com libra fraca'

Os impasses nas negociações para a saída do Reino Unido da União Europeia guiaram os mercados do continente nesta quarta-feira (6), com o sinal predominantemente negativo nos principais índices acionários. Curiosamente, a única exceção foi a da Bolsa de Londres, onde a libra mais fraca apoiou os ganhos de empresas exportadoras. Ao final do dia, o índice pan-europeu Stoxx 600 teve baixa de 0,10%, para 386,36 pontos.
A sessão foi impactada com a declaração do secretário britânico para o Brexit, David Davis, que disse que o governo ainda não fez uma avaliação de como a saída da UE irá afetar as diferentes partes da economia doméstica.
Ao mesmo tempo em que o Brexit ainda não está afinado dentro do próprio governo britânico, o primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, reconheceu que as negociações podem se estender para 2018.
O principal impasse neste momento tem relação com o acordo comercial que vai prevalecer na fronteira entre a República da Irlanda, que faz parte da UE, e a Irlanda do Norte, que faz parte da Grã-Bretanha.
"As discussões e as negociações em curso em relação ao Brexit parecem mais uma vez estar dando voltas em círculos", comentaram, em nota, analistas da corretora de câmbio britânica Halo Financial.
Neste cenário, a libra recuou fortemente durante a sessão e chegou ao nível de US$ 1,3384 próxima ao horário de fechamento das bolsas europeias.
No entanto, os investidores de empresas exportadoras do Reino Unido comemoraram a descida da moeda do país, ancorados na possibilidade de mais receitas para as companhias. As ações da fabricante de produtos aeroespaciais BAE Systems avançaram 1,81%, da farmacêutica Arix Bioscience saltaram 2,99% e da empresa de consumo de luxo Burberry Group subiram 0,64%. O índice FTSE-100 terminou em 7.348,03 pontos (+0,28%).
Nos demais mercados, prevaleceu o tom pessimista que o renovado impasse sobre o divórcio britânico pode causar para o restante do continente.
O índice DAX, da Bolsa de Franfurt, fechou em 12.998,85 pontos (-0,38%). O Ibex-35, de Madri, terminou em 10.184,00 pontos (-0,27%). O FTSE-Mib, de Milão, recuou para 22.307,28 pontos (-0,49%). E o PSI-20 teve baixa de 0,26%, para 5.381,00 pontos.
Em Paris, o índice CAC-40 chegou a subir levemente, mas terminou no vermelho com recuo de 0,02%, aos 5.374,35 pontos. O motivo para o comportamento foi o mesmo: a baixa do petróleo.
Enquanto a petroleira Total foi prejudicada pelo recuo da commodity, o que causou baixa de 0,15% dos papéis, a geradora de energia EDF, que usa o óleo em alguns de seus insumos, avançou 2,93%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia