Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 06/12 às 14h06min

Negociações do Brexit podem ficar para 2018, diz premiê irlandês

O primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, afirmou nesta quarta-feira que, caso não seja possível avançar com os pontos principais do processo de saída do Reino Unido da União Europeia nesta semana, as negociações devem ficar para o ano que vem.
De acordo com o Irish Independent, Varadkar disse à Câmara (chamada de Dáil Éireann), que irá conversar com a premiê britânica, Theresa May, nos próximos dias e reforçou a colega está tendo dificuldades para conciliar os diferentes interesses de membros de seu partido e do Partido Unionista Democrático (DUP, na sigla em inglês), da Irlanda do Norte.
Também nesta quarta-feira, a líder do DUP, Arlene Foster, finalmente conversou por telefone com May, segundo o The Guardian. Elas teriam concordado em manter equipes de ambos os lados para continuar tratando da questão sobre a fronteira irlandesa.
Na começo da semana, o DUP havia comunicado que não aceitaria "qualquer divergência regulatória" que separasse o país do resto do Reino Unido, seja econômica ou politicamente, ao final das negociações do Brexit. O comentário foi feito após vir à tona o rascunho de um acordo no qual mostrava que, no sentido prático, a Irlanda do Norte permaneceria sob as regras da União Europeia
Hoje, Foster disse que se o DUP tivesse sido diretamente envolvido nas conversas, não teria chegado a uma "situação tão irregular".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia