Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 05/12 às 19h02min

Fiergs prevê crescimento de 0,7% no PIB brasileiro em 2017

Após duas fortes quedas consecutivas do PIB nas temporada de 2015 (-3,5%) e 2016 (-3,6%), a economia apresenta os primeiros resultados positivos em 2017. A expectativa de crescimento para este ano é de 0,7%, segundo levantamento da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs).
“Precisamos de fontes de financiamento que estão um pouco deprimidas, e o governo ainda insiste em querer de volta o dinheiro do Bndes, que é de RS$ 130 bilhões da dívida com o Tesouro Nacional. Para o setor industrial, são muito importantes as linhas de crédito do Bndes”, disse o presidente da entidade, Gilberto Porcello Petry.
Petry também aponta que o episódio do empresário Joesley Batista em delação contra o presidente Michel Temer retardou a retomada da confiança no cenário local.
As indústrias de construção e transformação foram as que mais sofreram com o baixo rendimento ao longo de 2017. Por outro lado, a agricultura foi o único setor de destaque este ano, por conta da safra de grãos recorde.
Após 11 trimestres consecutivos de perdas, com uma queda acumulada de 8,2%, o PIB brasileiro voltou a crescer nos últimos dois trimestres. “O PIB de 2014 só deverá ser retomado em 2020, e o da indústria, em 2021, ainda deve ser inferior ao pico de 2013”, afirmou o economista-chefe da Fiergs, André Francisco Nunes de Nunes.
Outro fator que implica em retomada foi dado pela inflação. A previsão é a de que o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) feche em 3,1% em 2017 e em 4,1% em 2018, o que viabiliza a manutenção dos juros em patamares baixos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia