Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Alterada em 05/12 às 16h58min

Agronegócio gaúcho encerra sequência de saldos negativos e cria empregos em outubro

O setor de agronegócios gaúcho registrou um saldo positivo de empregos formais em outubro, com as admissões (12.815) superando os desligamentos (9.244) em 3.571 postos de trabalho. O resultado, divulgado nesta terça-feira (5) pela Fundação de Economia e Estatística (FEE), encerra uma sequência de seis meses de saldos negativos. 
Segundo o levantamento, os três segmentos do agronegócio gaúcho registraram saldo positivo de empregos em outubro. O resultado mais expressivo ocorreu no segmento “depois da porteira”, formado por atividades agroindustriais e de comércio atacadista (mais 2.631 postos). O setor de comércio atacadista de produtos agropecuários e agroindustriais liderou as admissões no mês, tendo apresentado um saldo positivo de 1.203 empregos com carteira assinada. Em seguida aparece o setor de fabricação de conservas (mais 1.051 postos), cuja criação de empregos concentrou-se nos municípios de Morro Redondo e Pelotas. Na contramão do movimento geral do agronegócio, o setor com maior fechamento de vagas no mês foi o de fabricação de produtos do fumo (menos 379 postos). 
No segmento “dentro da porteira”, composto por atividades características da agropecuária, foram criados 666 postos de trabalho com carteira assinada. Contribuiu decisivamente para esse desempenho o setor de produção de lavouras temporárias, que apresentou saldo positivo de 575 empregos. Já no segmento “antes da porteira”, constituído por atividades dedicadas ao fornecimento de insumos, máquinas e equipamentos para a agropecuária, houve incremento de 274 postos de trabalho, com destaques para o setor de produção de sementes e mudas certificadas Nesse setor, ressalta-se a criação de 291 vagas no município de Cruz Alta. Na comparação com igual mês do ano anterior, o acréscimo de postos de trabalho em 2017 foi superior, com diferença de 546 empregos.
No acumulado de janeiro a outubro de 2017 foram criados 3.816 empregos com carteira assinada no agronegócio gaúcho. Em igual período de 2016 o saldo entre admissões e desligamentos era de 4.516 empregos, resultando, portanto, em uma variação negativa de 700 postos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia