Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 05/12 às 09h51min

Petróleo opera em baixa, em meio a preocupações com produção dos EUA

Os preços do petróleo operavam em baixa na manhã desta terça-feira (5), com operadores dando menos atenção à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e mais à produção dos Estados Unidos.
Às 9h17min (de Brasília), o petróleo WTI para janeiro recuava 0,50%, a US$ 57,18 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para fevereiro caía 0,27%, a US$ 62,28 o barril, na ICE.
Os preços começaram a perder fôlego na segunda-feira, com o Brent em queda de mais de 2%, dias após a Opep concordar, em reunião com a presença de outros produtores, como a Rússia, em estender o acordo para cortar a produção ao longo de 2018.
"Um acordo estava totalmente precificado", afirmou Ole Hansen, diretor de estratégia de commodities do Saxo Bank. Desde que a Opep e a Rússia confirmaram, na quinta-feira, que continuariam a conter sua produção em quase 2% ao longo do próximo ano, o mercado "toma um fôlego", segundo o analista. "Agora o foco volta para a produção dos EUA", comentou Hansen.
Investidores e analistas esperam o relatório do American Petroleum Institute (API), às 19h30, uma prévia do dado oficial de estoques na semana do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês), que sai nesta quarta-feira.
O fato de que os preços agora estão mais baixos do que antes da confirmação do acordo não é surpreendente, para os analistas da consultoria JBC Energy. Segundo eles, isso ocorre porque já havia antes uma expectativa da extensão do acordo.
Analistas do Commerzbank veem a queda nos preços como causada pela realização de lucros por investidores que especulavam no mercado.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia