Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

combustíveis

01/12/2017 - 16h32min. Alterada em 01/12 às 19h11min

Petrobras reajusta preços de GLP destinado ao uso industrial e comercial em 5,3%

A Petrobras informa que vai reajustar os preços de comercialização às distribuidoras do GLP destinado aos usos industrial e comercial, no porcentual médio de 5,3% e vigência a partir do sábado (2).
Segundo a estatal, a alteração se faz necessária devido ao aumento das cotações internacionais do produto, que acompanharam a alta do Brent.
A Petrobras esclarece que este reajuste não se aplica aos preços de GLP destinado ao uso residencial, comercializado pelas distribuidoras em botijões de até 13kg (conhecido como P13 ou gás de cozinha).

Sindigás observa preço do GLP acima do valor internacional

Folhapress
O Sindigás (Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo) calculou que, acompanhando as informações passadas pela Petrobras às distribuidoras, o aumento de preço será entre 5,1% a 5,5%, dependendo do polo de suprimento das refinarias.
Para o sindicato, o sobrepreço do GLP destinado a embalagens acima de 13 quilos, e a granel, adquiridas prioritariamente pelo segmento empresarial, "tem impactado de forma crucial os negócios que operam com uso intensivo de GLP". O sindicato acrescentou, que considerando o reajuste deste sábado, "o preço praticado pela Petrobras é 41,8% mais alto do que o praticado no mercado internacional".
Segundo o Sindigás, o percentual causa impactos nos consumidores. "Esse ágio vem pressionando ainda mais os custos de negócios que têm o GLP entre seus principais insumos", diz a entidade.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia