Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Comércio

01/12/2017 - 10h25min. Alterada em 01/12 às 10h55min

Comércio cresceu 1,6% no 3º trimestre ante o 2º trimestre, mostra IBGE

Junto com a indústria, setor apresentou um dos melhores desempenhos no resultado da economia

Junto com a indústria, setor apresentou um dos melhores desempenhos no resultado da economia


JONATHAN HECKLER/JC
O comércio e a indústria de transformação exibiram alguns dos melhores desempenhos no Produto Interno Bruto do terceiro trimestre, em relação ao segundo trimestre deste ano, informou nesta sexta-feira (1), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O comércio cresceu 1,6% no terceiro trimestre ante o segundo, enquanto a indústria de transformação avançou 1,4%. As atividades imobiliárias subiram 0,9%.
Já as indústrias extrativas cresceram 0,2% no terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre, mesma alta registrada pelos segmentos de outras atividades de serviços e administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social.
O setor de eletricidade, gás, água, esgoto e atividade de gestão de resíduos teve ligeiro avanço de 0,1% no terceiro trimestre ante o segundo, mesmo resultado das atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados.
A construção ficou estável (0,0%) no trimestre, assim como o transporte, armazenagem e correio.
O setor de informação e comunicação encolheu 0,1% no terceiro trimestre ante o segundo trimestre, enquanto a agropecuária teve retração de 3,0%.
O PIB do terceiro trimestre de 2017 somou R$ 1,641 trilhão em valores correntes, sendo R$ 1,416 trilhão referentes ao valor adicionado e R$ 225,8 bilhões de impostos sobre produtos líquidos de subsídios.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia