Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 01/12 às 09h26min

Cobre opera em alta, recuperando-se de perdas recentes

O cobre opera em alta na manhã desta sexta-feira (1). O metal ainda se recupera de perdas recentes, embora sem muito impulso, beneficiado pelo avanço do petróleo.
Por volta das 9h (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,18%, a US$ 1.277,01 a onça-troy, na London Metal Exchange (LME). Às 9h10min, o cobre para março avançava 0,44%, a US$ 3,0775 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
No câmbio, o dólar está um pouco mais fraco em relação a uma cesta de moedas fortes. Isso aumenta o apetite de investidores detentores de outras divisas e apoia o metal.
Além disso, o petróleo mais forte ajuda o cobre, já que as duas commodities são muitas vezes negociadas na mesma cesta, com peso maior para o óleo.
Investidores ainda monitoram os sinais do Senado americano, que tenta votar hoje um projeto de reforma tributária, após não haver consenso ontem sobre a alteração. As mudanças, caso se confirmem, podem impulsionar a atividade econômica, embora alguns congressistas temam o aumento no déficit fiscal. As dúvidas no Legislativo são a causa da vulnerabilidade do dólar nesta sexta-feira, na avaliação de Derek Halpenny, diretor europeu para pesquisa em mercados globais do MUFG.
Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco subia 0,82%, a US$ 3.183 a tonelada, o alumínio avançava 1,03%, a US$ 2.064,50 a tonelada, o estanho tinha baixa de 0,41%, a US$ 19.540 a tonelada, o níquel caía 0,49%, a US$ 11.090 a tonelada, e o chumbo tinha ganho de 1,25%, a US$ 2.502,50 a tonelada.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia