Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 13/12/2017. Alterada em 12/12 às 21h14min

Fiscalização do trânsito

Em resposta ao afirmado pelo presidente do Sindimoto, Valter Ferreira da Silva, em Frases e Personagens (Jornal do Comércio, 11/12/2017) a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) informa que está acontecendo um grande equívoco por parte do sindicato, o qual se utiliza de legislação e julgados antigos, interpretando pareceres atuais de forma superficial e incompleta. A abordagem, como regra geral, é tratada pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) como "sempre que possível". Em casos especiais, o Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito exige a abordagem. Não há infração imposta pela EPTC onde a abordagem seja obrigatória e ela não tenha acontecido. O sindicato, com este pensamento, inviabiliza a fiscalização a motociclistas em casos em que a abordagem não é obrigatória. É sabido, por todos, sobre a dificuldade com relação às abordagens a este tipo de veículo. A EPTC vem reforçando, inclusive, a fiscalização e atividades educativas para motocicletas - um dos veículos que está envolvido na maioria dos acidentes que resultam em morte. De janeiro a novembro deste ano, 30 motociclistas morreram em acidentes e 13 pessoas morreram depois de serem atropeladas por motos. (Assessoria de Comunicação - EPTC)
Ônibus Carlos Gomes
Por décadas, os porto-alegrenses serviram-se dos ônibus da linha Carlos Gomes, tradicionalmente explorada pela Companhia Carris, hoje a cargo do Consórcio Bacia Sudeste-Leste. Pois ela foi assumida por outra linha. Muita confusão à vista. (Luiz Carlos Vaz, jornalista, Porto Alegre)
Futebol
Somente o colunista Carlos Pires de Miranda lembra dos times do Interior, também o Cruzeiro e o São José. Li a sua coluna (De olho na tevê, Jornal do Comércio, edição de 12/12/2017) fazendo alusão a eles, perguntando sobre como estão, quais os resultados de Juventude, e sobre o estádio do Brasil de Pelotas. Realmente, para a maior parte da imprensa de Porto Alegre, apenas existe a dupla Grenal. Claro, são os maiores times, torcidas e estádios. Mas fizeram sua grandeza jogando campeonatos contra quem? Lembro do Nacional, do Força e Luz (que não existem mais), dos citados Cruzeiro e São José. Mas agora não interessam? (Iguer Berto Círio, Porto Alegre)
Futebol II
Na imprensa, só lia sobre o jogo do Grêmio contra o Real Madrid, que era, ainda, uma hipótese, não uma certeza. Mas só na sexta-feira passada fiquei sabendo o certo, havia um jogo contra esse tal de Pachuca, do qual nunca ouvi falar, para o Grêmio vencer. Mas o time esse está lá do México, deve ter os seus méritos. Como escrevo antes do jogo de terça-feira, não sei o resultado. Alguma surpresa? (Nelson Aguillar, Porto Alegre)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia