Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 21/12/2017.
Alterada em 21/12 às 16h40min
COMENTAR | CORRIGIR

Estado é estratégico para cross border e-commerce

Leonardo Palhares diz que maiores barreiras são burocráticas, e não financeiras

Leonardo Palhares diz que maiores barreiras são burocráticas, e não financeiras


CAMARA-E.NET/DIVULGAÇÃO/JC

O comércio eletrônico brasileiro é muito evoluído, cresce ano a ano e isso faz com que muitos empreendedores se foquem apenas no mercado interno e não prestem atenção a novas oportunidades de negócios. Especialmente as que podem chegar por meio dos 600 milhões de e-consumidores dos outros países da América Latina.
O alerta é do presidente da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), Leonardo Palhares. Eleito para a sua segunda gestão à frente da entidade, ele escolheu o cross border e-commerce, ou o comércio eletrônico além fronteiras, como uma prioridade para 2018. “A ideia é aumentar a participação do e-commerce brasileiro na América Latina”, observa. E o Rio Grande do Sul pode ser decisivo nessa estratégia.
Para os empresários gaúchos, muitas vezes é mais interessante vender para a Argentina do que na Bahia, por exemplo. “Sem falar que as companhias brasileiras de e-commerce podem estruturar centros de distribuição no Estado pensando no cross border e-commerce e, assim, incrementando a economia local”, acrescenta. O ideal é que as novas operações já nasçam considerando as entregas para outros países, como já fazem Peru e Colômbia, por exemplo.
“As barreiras que existem são burocráticas, como as de aduana, e não financeiras. Mas, existem atores que poderiam ajudar, como os Correios, desenvolvendo produtos logísticos especiais”, sugere Palhares.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Patricia Knebel

Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.