Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 14/12/2017. Alterada em 13/12 às 18h35min

Frases e personagens

"A revisão do IPTU já é discutida na esfera pública há praticamente três décadas pela sociedade porto-alegrense. Considero o projeto do prefeito uma oportunidade de realizar justiça tributária, visto que sociedades carentes poderiam pagar um valor menor deste imposto." Moisés Maluco do Bem (PSDB), vereador de Porto Alegre.
"Na mudança da planta dos valores de IPTU, o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) não prestou atenção nas discussões dos vereadores sobre o assunto, reincidindo em seu erro. Afirmei que faltava esclarecimento à população de Porto Alegre e aos vereadores sobre o impacto financeiro que esta proposta traria, e ainda falta esta visão." Prof. Alex Fraga (PSOL), vereador de Porto Alegre.
"Entregamos à Assembleia o projeto que autoriza o governo a pagar o 13º salário do funcionalismo por meio de empréstimo bancário. O governo se compromete a custear ao servidor as despesas com a operação de crédito, e as divergências do Tribunal de Contas do Estado (TCE) foram superadas internamente." Fábio Branco (PMDB), chefe da Casa Civil.
"Mas a antecipação do 13º é facultativa. Originalmente ele será pago de forma mensal pelo governo aos servidores em 12 parcelas mensais a partir de janeiro de 2018." Também Fábio Branco.
"O governo encaminhou projetos para a segurança. Mas houve a negativa da oposição para a publicação de propostas para enfrentar a criminalidade no Rio Grande do Sul, como o projeto de lei que isenta de ICMS empresários que comprarem veículos para serem doados às polícias gaúchas. A quem interessa isso? Só a criminalidade será beneficiada por uma atitude como esta." Sérgio Turra (PP), deputado estadual.
"A oposição tem, no máximo, 14 votos numa casa integrada por 55 parlamentares. Tentar responsabilizar a oposição, que é diminuta, pelo fracasso do governo é desleal. Não vamos admitir que o governo nos responsabilize pela sua incompetência." Stela Farias (PT), deputada estadual.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia