Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Dom Jaime Spengler

A voz do Pastor

Notícia da edição impressa de 14/12/2017. Alterada em 13/12 às 22h29min

Preparar novos caminhos

A modernidade é a era em que a existência social depende da opinião e do olhar dos outros: somos quem conseguimos fazer que os outros acreditem que somos; importante é a imagem que oferecemos de nós mesmos.
Tal situação está produzindo sinais de um vazio existencial. A depressão, doença que caracteriza a atualidade, pode ser expressão desse cenário. São também preocupantes os sintomas dessa realidade entre jovens e adolescentes. A automutilação, as tentativas suicídio - e os suicídios! -, nesta fase da vida, se tornam sempre mais frequentes.
A comunidade de fé, durante o tempo do Advento, é exortada a avaliar a qualidade de sua vida. O seguimento do Senhor oferece horizontes, expectativas, esperança.
Nas semanas que antecedem o Natal, ressoa uma constante exortação: uma voz grita no deserto! Essa voz recorda o núcleo da vida cristã: conversão! Conversão compreendida como determinação para assumir sempre, e de novo, o caminho de vida proposto por Jesus Cristo.
A voz clama no deserto! Ela é veículo para deixar chegar a palavra aos ouvidos dos seres humanos. João Batista era voz forte e potente. Era uma "voz que clama", destinada a romper a surdez das pessoas e a chegar aos que estão longe de Deus. É uma voz que clama "no deserto", convocando todas as pessoas de boa vontade a uma nova travessia para a liberdade, como outrora aconteceu com o povo da antiga aliança, quando, sob a guia de Moisés, soube pôr-se em marcha para a busca do novo. A missão daquela voz era preparar os caminhos do Senhor, para que a esperança pudesse encontrar espaço nos corações de todos.
A voz clama no deserto! No final do século XIX e início do século XX, Nietzsche anunciou o crescimento do deserto: "O deserto cresce. Ai dos que abrigam desertos dentro de si". Esse parece ser um fato! Pode ser considerado o destino no Ocidente. Os sinais de que o deserto cresceu e cresce são visíveis: individualismo, autorreferencialidade, consumismo, degradação ambiental, corrupção, violência, pobreza crescente, desprezo pela vida, falta de perspectivas, perda da capacidade de sonhar e esperar.
Nesse contexto sócio-político-econômico-religioso, uma voz grita: "endireitai os caminhos do Senhor!".
É sempre maior o número de pessoas, religiosas ou não, que buscam solução para suas dificuldades e desafios em coisas que não têm o poder que muitos imaginam. O mercado da autoajuda cresce sempre mais. Também o mercado religioso dá sinais de vitalidade. Tal situação pode ser sinal de uma doença profunda que parece marcar a história de muitos e que necessitaria de atenção e cuidado.
O tempo que antecede o Natal pode representar oportunidade vigorosa para o resgate do essencial: rever posições, comportamentos, práticas, opiniões e dispor-se a realizar um caminho de vida capaz de afastar da superficialidade e levar pessoas de boa vontade para o mais profundo da vida. As perturbações encontram solução no coração humano. Elas podem ser anímicas, afetivas, espirituais. Superá-las pressupõe mudar algo no abismo interior da pessoa.
"À sede de sentido e de valor que hoje o mundo experimenta; à procura de bem-estar e de paz que caracteriza a vida de toda a humanidade; às expectativas dos pobres, Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, responde com seu Natal. Não temas os indivíduos e as nações reconhecê-Lo e acolhê-Lo: com Ele, uma 'esplêndida luz' ilumina o horizonte da humanidade; com Ele, abre-se 'um dia santo' que não conhece acaso" (Bento XVI).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dorian R. Bueno 14/12/2017 11h32min
NOSSO CAMINHO - Letra/Música/Deus - Dorian Bueno. No ritmo do compasso, dos nossos pés. Vamos caminhando, para onde Deus quiser. As nossas pegadas, vão ficando pelo chão. Seguimos felizes, cantando esta canção. No ritmo do compasso, dos nossos pés. Vamos caminhando, para onde Deus quiser. As nossas pegadas, vão ficando pelo chão. Seguimos felizes, cantando esta canção. Venha sorrindo, seguir este caminho. Tenha coragem, para andar junto de nós. Deixe para trás, o que não volta mais. O céu é o destino, e Deus a nossa voz. Se você cansar, vai te animar. Se você cair, vai te levantar. Se ficares tristes, vai te alegrar. Se você deixar, Deus vai te resgatar. Se você mentir, vai te reprimir. Se Nele você crer, tudo vai acontecer. Se você chorar, tua lágrima vai enxugar. É filho Dele, para sempre vai te amar. Esqueça o desânimo, que quer te iludir. Deus sabe de tudo, jamais vai permitir. Deixar um filho seu, cair em tentação. Sair do seu rebanho, perder sua unção. Creia nas promessas, que ele prometeu. Na sua bondade, e todo o seu amor. A sua vitória logo, logo, logo vai chegar. Bálsamos de bênçãos vai te derramar. A sua vitória logo, logo, logo vai chegar. Bálsamos de bênçãos vai te derramar. Amém. Abs. Dorian Bueno, POA, 14.12.2017nnnn