Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Portos

Notícia da edição impressa de 04/01/2018. Alterada em 03/01 às 18h01min

Decreto cria uma ZPE no porto fluminense do Açu

Zona de Processamento de Exportação é voltada à fabricação de produtos para o mercado externo, isentos de tributos federais, e deve gerar investimentos de R$ 82 milhões

Zona de Processamento de Exportação é voltada à fabricação de produtos para o mercado externo, isentos de tributos federais, e deve gerar investimentos de R$ 82 milhões


/PRUMO/DIVULGAÇÃO/JC
O presidente Michel Temer assinou nesta quarta-feira decreto que cria a Zona de Processamento de Exportação (ZPE) no porto do Açu, no Norte fluminense. O porto foi um dos projetos idealizados pelo empresário Eike Batista. O porto agora é controlado pela americana EIG, e operado pela Prumo Logística.
"Na nossa cabeça, a União será forte se os estados e os municípios forem fortes. E estamos enfrentando dificuldades extraordinárias, mas estamos dando apoio a todos os estados e municípios para que, no fim de 2018, tenhamos uma verdadeira federação neste País."
A Zona de Processamento de Exportação é voltada para a fabricação de produtos para o mercado externo, isentos de tributos federais, e deve gerar investimentos de R$ 82 milhões no curto prazo. A informação foi dada pelo presidente da Prumo Logística, José Magela, durante a solenidade de assinatura do decreto.
De acordo com Magela, a empresa que vai operar o projeto ainda será escolhida por meio de licitação e deverá investir
R$ 40 milhões em obras de infraestrutura. A primeira empresa a se instalar no local, a Rocha do Açu, fará o beneficiamento de rochas para exportar e já prevê investimentos de R$ 42 milhões.
Magela citou também o investimento de R$ 7 bilhões na construção de duas termelétricas a gás natural. Atualmente, já trabalham no porto do Açu 4 mil funcionários, e a tendência é crescer o número de empregos nos próximos anos com o desenvolvimento dos projetos, tanto o das térmicas como o da ZPE.
"O Complexo Portuário do Açu será o maior polo logístico e industrial do País. A ZPE vai trazer desenvolvimento socioeconômico sustentável para toda a região do Norte fluminense e do Brasil."
Segundo o executivo, além da primeira indústria que vai se instalar na ZPE, existe interesse de empresas chinesas, japonesas e indianas. O processo de licitação para escolha da empresa que vai operar a ZPE deverá levar cerca de três meses.
"O porto do Açu vai ter o maior parque térmico da América Latina, com as duas térmicas que vão gerar três gigawatts (3 mil megawatts). Deverão ter cerca de 2 mil trabalhadores na obra só na construção da primeira térmica", destacou Magela.
A previsão é que a ZPE do Açu esteja em operação em 24 meses. São dois quilômetros quadrados de área que fica a 10 quilômetros do Terminal Multicargas (T-MULT) do porto do Açu. Será a primeira na região Norte fluminense e a 26ª do País, sendo que apenas uma está em operação.
Também participaram do evento, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Marcos Pereira, e o governador do estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Francisco Berta Canibal 17/05/2018 07h08min
Enquanto o governo federal libera ZPEX, o Rio Grande do Sul, volta e meia perdendo o trem da história, transformou o terreno do Porto de Rio Grande em um espaço para determinado estaleiro. É condição primeira para o desenvolvimento uma ZPEX, em nosso Estado.