Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 17 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

opinião

Notícia da edição impressa de 18/12/2017. Alterada em 15/12 às 17h15min

O futuro da água

Mario Pino
As crises no abastecimento de água no Brasil acontecem em velocidade e gravidade crescentes. Essa escalada vai ao encontro das estatísticas da alemã Munich Re, uma das maiores resseguradoras do mundo, de que a frequência dos eventos climáticos extremos com perdas econômicas cresceu cerca de 3,0 vezes desde 1990 e, segundo o Fórum Econômico Mundial, causam um prejuízo anual de US$ 1,3 trilhão.
Dados do Worldwatch Institut (WWI) apontam que o número de habitantes perto de 9 bilhões em 2030 demandará 50% a mais de alimentos, 40% a mais de energia e 30% de água. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), a demanda por água deverá superar a oferta em 40%.
Embora consuma cerca de 20% da água utilizada no mundo, em comparação aos 70% da agricultura irrigada, o setor industrial busca soluções. A água de reúso industrial, a partir do esgoto tratado com tecnologia avançada, cresce entre grandes empresas. Uma delas é a Braskem que, em parceria com a Odebrecht Ambiental e a Sabesp, viabilizou o Projeto Aquapolo, no ABC Paulista, do qual consome 65%. A iniciativa ampliou o índice da água de reúso da Braskem na região para 97% do total.
Mas é preciso debater políticas públicas que incentivem o reúso de água de chuva, de esgoto doméstico e efluente tratado, de água dessalinizada. Um exemplo é o Movimento Menos Perda Mais Água, da Rede Brasil do Pacto Global, ligado à ONU. Ele visa ao engajamento no controle e redução das perdas de água tratada na distribuição, que chega a média de 37% no País. Começa por reduzir a pressão, passa por estabelecer sistemas de micro e macromedição para alertar sobre vazamentos até fazer a troca progressiva da rede física de distribuição. Tubos de polietileno de alta densidade e de policloreto de vinila - PVC têm se mostrado alternativas mais eficientes, duráveis e competitivas.
A Sanasa, operadora de Campinas (SP), reduziu o Índice de Perdas na Distribuição de 37,7% para 21,6%, um dos menores do País, e economizou 454 milhões de m3 de água. A melhoria da eficiência no uso da água é possível, mas passa pela cooperação de todos para produzir uma solução na velocidade e na escala necessárias.
Gerente de Desenvolvimento Sustentável da Braskem
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia