Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 17 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Leitura

Notícia da edição impressa de 18/12/2017. Alterada em 16/12 às 18h03min

Persuasão

O que é necessário para um profissional se tornar um mestre na arte da persuasão? De acordo com o psicólogo social Robert Cialdini, os melhores comunicadores sabem que o segredo da influência não está na mensagem em si, mas no momento que antecede a transmissão da mensagem.
Cialdini é doutor em Psicologia pela Universidade da Carolina do Norte. Seus livros "O poder da percussão, Sim! 50 segredos da ciência da persuasão" e "As armas da persuasão" foram traduzidos para 26 idiomas e totalizaram mais de dois milhões de exemplares vendidos. Entre seus clientes estão instituições como Google, Microsoft, Cisco Systems, Bayer, Coca-Cola, Ericsson, Kodak, Merrill Lynch, Pfizer, IBM.
Com base em suas pesquisas, o autor apresenta que a maneira mais fácil de convencer alguém a aceitar uma ideia é tirar proveito da janela de tempo anterior à sua apresentação - o momento privilegiado no qual o destinatário se torna mais receptivo à mudança.
De acordo com o especialista, as técnicas apresentadas no livro são fundamentais para que empresários crie um ambiente propício para exercer influência dentro do ambiente profissional. O especialista analisa uma série de exemplos, principalmente campanhas de marketing on-line, e chama a atenção para as consequências desastrosas do uso antiético dessas abordagens.  
Pré-suasão; Robert B.Cialdini; Editora sextante; 288 páginas; R$ 49,90; disponível em versão digital R$ 29,99

NEGÓCIOS

Para quem acha que uma frase pode abrir os olhos e mudar uma vida, "A arte dos negócios" é o livro certo. Organizado pelo editor de educação em negócios da revista The Economist, Bill Ridgers, a obra é uma compilação de divertidas citações sobre o mundo empresarial. Uma seleção que traz a espirituosidade e a sabedoria de grandes pensadores e frasistas de todas as áreas - de bilionários e economistas a CEOs, artistas e políticos, passando por personagens da televisão e dos quadrinhos.
O objetivo não é apresentar uma lista exaustiva de citações sobre negócios, mas reunir citações particularmente pertinentes, espirituosas e divertidas, nas palavras de Ridgers. Por um lado, o livro preocupa-se em apresentar frases como "Simples pode ser mais difícil que complexo", que resume o sucesso de Steve Jobs. De outro, não perde a oportunidade de fazer graça com "Minha fórmula para o sucesso? Levante cedo, trabalhe até tarde, encontre petróleo", máxima do fundador da Getty Oil Company, Jean Paul Getty.
O livro é dividido por temas e organizado em ordem alfabética, facilitando o acesso às áreas de interesse. São mais de 100 capítulos que abordam um pouco de tudo: ambição, falência, procrastinação, dinheiro, risco, burocracia, capitalismo, globalização, estratégia e felicidade, entre outros exemplos. Como disparou o magnata Lord Beaverbrook: "Os negócios são mais empolgantes que qualquer jogo".
A arte dos negócios: frases e ideias imperdíveis sobre o mundo empresarial; Bill Ridgers (org.); Editora Zahar; 256 páginas; R$ 39,90

INOVAÇÃO

As pessoas subestimam o prazer e o lúdico como motivações para a criação de novas ideias e instituições no mundo moderno. Em vez disso, preferem dizer que a necessidade é a mãe da invenção, e que os artefatos e tecnologias que nos rodeiam são fruto do aperfeiçoamento e da busca pela praticidade e por soluções a problemas.
Pensador da história em tecnologia, Steven Johnson quer virar esse jogo em "O poder inovador da diversão". Faz no livro um resgate da trajetória humana, sustentando que jogos de azar, instrumentos musicais, ilusionismo, moda, consumo e comidas exóticas fizeram muito mais do que apenas entreter: foram estas as responsáveis por dezenas de inovações, contribuindo diretamente para revoluções econômicas, políticas, sociais, culturais, tecnológicas e científicas que moldaram o mundo moderno.
Um exemplo é o jogo de dados, que deu origem à teoria das probabilidades e lançou as bases da estatística. O surgimento de exuberantes lojas e shoppings centers primitivos contribuíram para a industrialização em massa.
Para Johnson, qualquer um que deseja conhecer os caminhos da tecnologia e das tendências sociais deveria prestar atenção à maneira como brincamos e nos divertimos - e muitas respostas sobre o futuro podem ser encontradas observando bem no que estamos nos divertindo mais. 
O poder inovador da diversão: como o prazer e o entretenimento mudaram o mundo; Steven Johnson; Editora Zahar; 312 páginas; R$ 59,90; disponível em versão digital
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia