Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

municípios

Notícia da edição impressa de 30/11/2017. Alterada em 30/11 às 01h25min

Vice-prefeito de Caxias do Sul desiste de se licenciar e sugere renúncia coletiva

Roberto Hunoff, de Caxias do Sul
O vice-prefeito de Caxias do Sul, Ricardo Fabris de Abreu (sem partido), encaminhou, no final da manhã de ontem, ofício ao presidente da Câmara, Felipe Gremelmaier (PMDB), solicitando que a casa suspenda a tramitação do seu pedido de licença do cargo, protocolado em dia 21 de novembro.
Segundo ele, a instabilidade política do atual governo e a sinalização de que os vereadores não acatariam o pedido foram as principais causas. "O meu pedido era para aliviar essa tensão que havia entre o prefeito Daniel Guerra (PRB) e eu. Deixei a critério do Legislativo a fixação do tempo de afastamento. Neste ínterim, se instaurou uma crise política, que atinge a educação infantil, o Financiarte (financiamento cultural), o Postão 24 Horas, fatos que não recomendam uma licença. Alguns vereadores sinalizaram com voto contra minha licença, pois no caso de eventual afastamento do prefeito, quem teria que assumir seria o presidente da Câmara. Fato que poderia causar uma instabilidade político-institucional em Caxias", argumentou.
Em ofício enviado ao prefeito, Ricardo Fabris Abreu propõe renúncia de ambos dos cargos: "Libertemos a cidade da sua incompetência de governar e da minha incompetência de refrear o seu talento destrutivo". Ele classifica a atual gestão de desastrosa. "Conflitos acumulam-se sem parar, e a cidade onde nasci e vivo se desarranja." Esta é a segunda vez que Ricardo Fabris de Abreu volta atrás de uma decisão sobre o cargo. Em 6 de março, ele informou à Câmara que renunciaria no dia 31. Após 15 dias, reconsiderou do pedido.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia