Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 21/11 às 13h01min

Eduardo Cunha de volta ao reino da Lava Jato

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB) voltou à casa da Lava Jato. Nesta terça-feira (21) o peemedebista foi transferido de Brasília, onde estava havia dois meses, para Curitiba, base e origem da maior operação já desfechada contra a corrupção no Brasil. A remoção ocorreu por ordem do juiz federal Sérgio Moro.
Eduardo Cunha foi condenado por Moro a 15 anos e quatro meses de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas por supostamente ter recebido e mantido em conta na Suíça uma propina de US$ 1,5 milhão em 2011 na compra de campo petrolífero em Benin, na África, pela Petrobras.
O ex-presidente da Câmara pretendia permanecer em Brasília, para onde havia sido transferido em setembro, onde mantém laços com muitos outros políticos e também é réu em outra Operação, a Sépsis, por supostos desvios no Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS).
Ao tirar Cunha da Penitenciária da Papuda, Moro destacou que, em Brasília, o ex-deputado pode continuar mantendo contatos com "antigos parceiros do crime". Para o magistrado, em Curitiba, Cunha tem menos influência política.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia