Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 08 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

Notícia da edição impressa de 09/11/2017. Alterada em 08/11 às 21h32min

E-mail de março mostra orientação de Miller sobre acordo da JBS

Sofia Cavedon disse que decisão é 'vitória dos municipários'

Sofia Cavedon disse que decisão é 'vitória dos municipários'


/CANDACE BAUER/CMPA/JC
Em e-mail enviado no dia 9 de março, o ex-procurador da República Marcelo Miller faz um roteiro com orientações para as negociações da J&F com o Ministério Público Federal. A mensagem foi enviada por Miller a seu próprio e-mail. Nesta data, ele já havia pedido a exoneração do Ministério Público para advogar, mas sua saída da instituição só teria efeito a partir de abril. O e-mail foi revelado pelo jornal Folha de S.Paulo ontem.
A mensagem de Miller consta nos documentos juntados na CPMI da JBS, empresa ligada à holding J&F. No e-mail, intitulado "segundo roteiro de reunião", há quatro tópicos sendo que em um deles há menção ao conteúdo do que foi negociado pela empresa. O e-mail tem tom de orientação à empresa sobre como conduzir conversa com o Ministério Público.
"Queríamos lembrar a vocês que a nossa colaboração é muito relevante. Estamos trazendo pela primeira vez Bndes, que era a última caixa preta da República; estamos trazendo fundos, Temer, Aécio, Dilma, Cunha, Mantega e, por certo ângulo, também Lula. Temos elementos muito sólidos de corroboração, que incluem todo um conjunto de planilhas que vamos mostrar pericialmente, pela investigação interna, que foram elaboradas ao tempo dos fatos. Queríamos insistir com vocês na assinatura de um acordo de confidencialidade, para detalharmos os assuntos e iniciarmos a apresentação de anexos. Queríamos que o Brasil e o MPF saíssem na frente", consta no e-mail.
Miller deixou a PGR para integrar a banca do Trench, Rossi e Watanabe. O escritório chegou a assumir, no início, a negociação de leniência do grupo J&F. A leniência é uma espécie de delação premiada da empresa. Ao mesmo tempo, os executivos do grupo negociavam o acordo de colaboração com a Procuradoria-Geral da República.
A data do e-mail, de 9 de março, sugere que Miller sabia das negociações antes de oficialmente deixar o Ministério Público e dois dias depois de Joesley Batista gravar o presidente Michel Temer (PMDB) no Palácio do Jaburu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia