Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação Lava Jato

Notícia da edição impressa de 07/11/2017. Alterada em 06/11 às 22h43min

Procuradoria ganha prêmio por combate à corrupção

O trabalho do Ministério Público Federal (MPF) no combate à corrupção foi premiado no GIR Awards 2017 na categoria Enforcement Agency or Prosecutor. A premiação é realizada anualmente pela Global Investigations Review (GIR), uma agência internacional de notícias jurídicas relacionadas a grandes investigações. As informações foram divulgadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR).
Neste ano, o prêmio foi concedido ao Ministério Público Federal pelos resultados da Operação Lava Jato e concorria com a vencedora em 2016 Serious Fraud Office, agência inglesa de persecução em casos complexos de fraude, suborno e corrupção.
É a segunda vez que a atuação da Procuradoria brasileira é reconhecida pelo GIR Awards, que elege espontaneamente os vencedores, sem protocolos de inscrição. Em 2015, o trabalho de persecução realizado pelo Ministério Público Federal foi premiado na mesma categoria. A Lava Jato é a maior iniciativa de combate à corrupção e lavagem de dinheiro da história do Brasil.
O caso teve início em março de 2014, em Curitiba, a partir da investigação contra quatro organizações criminosas lideradas por doleiros. As investigações alcançaram desvios vultosos de recursos públicos em contratos da Petrobras, da usina nuclear de Angra 3 e do Estado do Rio de Janeiro, entre outras frentes.
Atualmente, a força-tarefa do Ministério Público Federal se espalha por Curitiba, Rio, São Paulo e Brasília, além do grupo de trabalho na PGR com atuação direta no Supremo Tribunal Federal. Em três anos e meio, 130 denúncias contra empreiteiros, ex-dirigentes da Petrobras foram ajuizadas pelas cinco equipes, contra mais de 500 acusados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia