Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 27/11/2017. Alterada em 26/11 às 17h42min

Nem tudo é crise na prefeitura da Capital

Rodrigo Sartori Fantinel
Neste momento em que são sistematicamente noticiados os problemas financeiros do município de Porto Alegre, a recuperação dos créditos tributários tem divergido drasticamente dessa realidade. A arrecadação dos valores devidos pelos contribuintes alcança um crescimento significativo, mesmo no atual cenário econômico adverso. No período de janeiro a outubro de 2017, em comparação a 2016, o crescimento é de mais de 25%. O montante arrecadado em 2017 totaliza mais de R$ 163 milhões e já supera toda a receita do ano de 2016, no qual foram arrecadados pouco mais de R$ 161 milhões.
A Receita Municipal tem ampliado mensalmente a utilização de ferramentas de cobrança. Além do protesto extrajudicial dos devedores dos diversos tributos, os inadimplentes de IPTU estão sendo negativados em cadastros de proteção ao crédito. Além disso, a equipe responsável pela cobrança tem contatado os devedores e conduzido milhares de negociações - somente em outubro, mais de 9 mil negociações foram fechadas. Ao final do mês de outubro, a carteira de parcelamentos alcançou o maior saldo até hoje já registrado, estão parcelados R$ 237 milhões, o que permite projetar uma continuidade, nos próximos meses, dos bons resultados já obtidos.
Em dezembro, tais ações serão ainda mais enfatizadas, uma vez que há mais renda disponível e trata-se de uma ótima oportunidade para que os devedores negociem suas dívidas e iniciem o ano de 2018 em dia com suas obrigações tributárias. A projeção para o fechamento de 2017 é de que a arrecadação da dívida ativa supere, pela primeira vez, a casa dos R$ 200 milhões e, dessa forma, auxilie o governo municipal no cumprimento dos compromissos financeiros de final de ano.
Auditor fiscal da Receita Municipal
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Ana Santos 28/11/2017 19h46min
Todavia, os salários são parcelados. Patrimônio público (DMAE, Carris) sucateado e sob ameaça de privatização. Esse é o jeito PSDB de governar. Lamentável.