Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 17/11/2017. Alterada em 16/11 às 20h26min

As oportunidades do trabalho temporário

Flávio Nascente dos Santos
A entrada em vigor da nova Lei da Terceirização (13.429/2017) tem surtido efeito no mercado. As principais mudanças na lei estão nos contratos de trabalho temporário, que poderão ter vigência de até nove meses, sendo 90 dias prorrogáveis por mais 180. Na regra anterior, o limite era de apenas 90 dias. Outra mudança importante é a possibilidade de contratação para trabalharem na atividade-fim da empresa, forma que não era clara na antiga redação. O trabalho temporário existe desde 1974 e é amparado pela Lei nº 6.019. Nossa empresa, por exemplo, que atua há quase 20 anos no setor, registrou aumento de 37% no número de vagas desde o início de abril, especialmente para atender demandas do setor industrial. Um dos aspectos que vem motivando os empresários a investir no trabalho temporário é a solução que ele oferece em casos de afastamento de profissionais. As razões mais comuns são licença-maternidade, férias, acidente, doença e serviço militar, e é compreensível que a empresa não possa diminuir sua força de trabalho diante de tais imprevistos. Dados que impactam no mercado de trabalho temporário foram constatados após realizarmos um feirão de empregos no Centro da Capital no mês passado, quando recebemos 3.061 pessoas de Porto Alegre e Região Metropolitana. Do total, 60% eram mulheres, 70% estavam desempregados desde 2015 e a faixa etária ficou entre 17 e 63 anos. Contudo, o item que mais chamou a atenção dos recrutadores foi a falta de estabilidade dos candidatos nas empresas. Existe aí uma ótima oportunidade de o profissional fazer carreira como trabalhador temporário. Em vez de prejudicar o seu currículo por mudar muito de empresa, ele pode desenvolver uma polivalência técnica e conhecer diferentes equipes por meio do trabalho temporário. Até dezembro, a expectativa da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem) é de que o mercado de temporários gere mais de 7 mil vagas no Rio Grande do Sul nos setores do varejo e indústria, sendo cerca de 1,2 mil para jovens na situação de primeiro emprego e quase 600 de vagas efetivas.
Empresário
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia