Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

acidente

Alterada em 22/11 às 12h31min

'Não temos nenhum sinal do submarino', diz Marinha argentina

Aviões e embarcações de diversos países ajudam nas buscas pela região

Aviões e embarcações de diversos países ajudam nas buscas pela região


EITAN ABRAMOVICH/AFP/JC
Folhapress
A Marinha argentina descartou que os novos sinais captados na manhã desta quarta-feira (22) sejam do submarino ARA San Juan, desaparecido desde a quarta (15). "No momento não temos nenhum sinal do submarino" disse ao jornal "Clarín" o porta-voz da Marinha, Enrique Balbi.
Segundo ele, os sinais captados pela manhã, que poderiam ajudar a definir um novo perímetro para as buscas, foram investigados e imediatamente descartados.
O ponto, a 300 km da costa da cidade de Puerto Madryn, coincidiu com um área indicada pela Marinha Estados Unidos, que disse ter localizado com um de seus aviões uma "mancha de calor" a 70 metros de profundidade.
Além disso, um barco inglês que ajuda nas buscas chegou a ver três sinalizadores na região. Com isso, diversas embarcações argentinas equipadas com sonares foram enviadas para o local, mas elas não encontraram nada.
Na sequência, um avião americano e um brasileiro sobrevoaram a região, mas também não acharam sinais do submarino desaparecido.
O ARA San Juan saiu de Ushuaia, no extremo sul do país, e estava em um exercício de vigilância na zona econômica exclusiva marítima argentina. A embarcação com 44 tripulantes se dirigia de volta à sua base em Mar del Plata, ao norte, quando as comunicações foram interrompidas.
A estimativa dos militares é que o oxigênio dentro do submarino acabe até esta quarta-feira (22).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia