Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 20/11 às 08h22min

Casa Branca admite retirar dispositivo sobre saúde de reforma tributária

A Casa Branca está disposta a retirar da proposta de reforma tributária do Senado um dispositivo que prevê a revogação de parte do chamado Obamacare, lei de saúde do governo americano anterior, caso esse torne um impedimento para a aprovação de uma das maiores prioridades do presidente dos EUA, Donald Trump.
O dispositivo elimina especificamente a exigência do Obamacare de que todos os cidadãos tenham seguro de saúde, sob pena de multa. Ontem (19), a senadora republicana Susan Collins defendeu que o assunto seja tratado separadamente.
Segundo o diretor de Orçamento de Trump, Mick Mulvaney, a Casa Branca admite a possibilidade de retirar o dispositivo do projeto.
Trump havia pressionado pela inclusão do dispositivo, de forma a mostrar progresso no objetivo dos republicanos de desfazer a legislação de saúde atual, após tentativas frustradas no Congresso meses atrás.
Mulvaney declarou ontem que a Casa Branca ainda deseja substituir o Obamacare, mas poderá abrir mão do dispositivo se o gesto garantir a aprovação do projeto no Senado.
Collins diz não ter decidido ainda como votará, uma vez que o projeto ainda sofrerá emendas antes de chegar ao plenário do Senado. Mas seu voto será crucial numa Casa onde os republicanos têm uma estreita maioria de 52 a 48.
Analistas preveem que o Senado irá votar o projeto de reforma tributária dos republicanos depois do feriado do Dia de Ação de Graças, que será comemorado na quinta-feira (23), ou no começo de dezembro.
Na semana passada, a Câmara dos Representantes aprovou um projeto diferente de reforma tributária. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia