Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Chile

Alterada em 19/11 às 21h10min

Favorito à Presidência, Piñera vota e diz 'precisar da unidade dos chilenos'

Chilean presidential candidate Sebastian Pinera casts his vote during the presidential election in Santiago on November 19, 2017.
Voting began Sunday in the first round of Chile's presidential election, with former president Sebastian Pinera likely to cement his frontrunner status to succeed Socialist leader Michelle Bachelet. / AFP PHOTO / Martin BERNETTI
      Caption

Chilean presidential candidate Sebastian Pinera casts his vote during the presidential election in Santiago on November 19, 2017. Voting began Sunday in the first round of Chile's presidential election, with former president Sebastian Pinera likely to cement his frontrunner status to succeed Socialist leader Michelle Bachelet. / AFP PHOTO / Martin BERNETTI Caption


MARTIN BERNETTI/AFP/JC
Folhapress
Num domingo de sol forte, o favorito desta eleição presidencial, o ex-presidente de centro-direita Sebastián Piñera, votou às 10h (11h em Brasília), num colégio de Las Condes, bairro nobre de Santiago. Ao sair, falou com jornalistas. "Hoje vamos tomar uma decisão que mudará nossas vidas por muitas décadas e determinará os caminhos que queremos seguir. Agora vamos esperar os resultados e, a partir de março (quando o candidato eleito assume), vamos precisar da unidade de todos os chilenos", declarou.
Indagado sobre o fato de que um grupo de estudantes cercou seu comitê esta manhã com cartazes contra sua candidatura, Piñera disse apenas que "numa democracia, qualquer manifestação pacífica é permitida, mas não estarei de acordo que se cometam excessos, mas isso felizmente não ocorreu". O grupo, que se reuniu nas primeiras horas da manhã, foi dissolvido pelos Carabineros.
O principal rival de Piñera, Alejandro Guillier, votou em Antofagasta, onde é senador, às 11h (meio-dia no Brasil). O colégio a que compareceu estava cheio de apoiadores, a quem distribuiu cumprimentos e selfies. "Espero que um segundo turno seja propício para armar acordos que deem unidade ao país e assegurem a governabilidade. Vamos esperar os resultados e respeita-los, como deve ser", disse.
Já a presidente Michelle Bachelet votou pela manhã em um colégio do bairro de La Reina. Fez um pedido para que os chilenos compareçam às urnas, tentando reverter a tendência de alta abstenção (44%) prevista para esta eleição pelas pesquisas. A mandatária disse que acredita que haverá um segundo turno, e que, para essa fase da campanha, espera que "se possam escutar ideias compostas e propostas de modelo de país que cada candidato ou candidata represente".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia