Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 05 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Diplomáticas

Notícia da edição impressa de 06/11/2017. Alterada em 05/11 às 21h03min

Em recado à Coreia do Norte, Trump diz que 'ninguém deve subestimar os EUA'

Presidente norte-americano deu início à sua primeira visita à Ásia

Presidente norte-americano deu início à sua primeira visita à Ásia


/JIM WATSON /AFP/JC
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, advertiu ontem que "nenhum ditador" deveria subestimar o país, em uma alusão quase explícita à Coreia do Norte, que se apresenta como tema dominante de sua viagem à Ásia, que começou pelo Japão.
"Ninguém, nenhum ditador, nenhum regime deveria subestimar a determinação dos EUA", afirmou o republicano diante de soldados norte-americanos e japoneses na base aérea de Yokota, a 40 quilômetros de Tóquio, em sua chegada ao Japão neste domingo.
Trump anunciou aos jornalistas a bordo do Air Force One que esperava se reunir com seu homólogo russo, Vladimir Putin, durante a viagem, como parte das tentativas da comunidade internacional de encontrar uma solução para a crise da Coreia do Norte.
"Creio que está previsto um encontro com Putin, claro. Queremos a ajuda de Putin com a Coreia do Norte, e vamos nos reunir com muitos líderes diferentes", disse.
A viagem, a primeira de Trump pela região e a mais longa que um presidente norte-americano faz em 25 anos - vai durar cerca de 11 dias - ocorre depois de meses de tensão entre Washington e Pyongyang.
O jornal do partido único no poder na Coreia do Norte, "Jodong Sinnmun", instou Trump a evitar qualquer "declaração irresponsável". "Se os EUA cometem um erro de interpretação a respeito da vontade de ferro da Coreia do Norte, esta se verá obrigada a dar seguimento a um castigo decidido e sem piedade (...), mobilizando todas as suas forças", afirmou o diário em um editorial. Após o Japão, Trump visitará ainda a Coreia do Sul, a China, o Vietnã e as Filipinas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia