Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 01 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

reino unido

Alterada em 01/11 às 21h50min

Secretário britânico cai por má conduta sexual

Folhapress
O secretário de Defesa britânico, Michael Fallon, renunciou nesta quarta-feira (1º) em meio a alegações de que, em 2002, ele fez avanços sobre a jornalista Julia Hartley-Brewer, tocando no joelho da repórter de uma maneira "insistente".
"Reconheço que, no passado, estive abaixo dos altos padrões que requeremos das Forças Armadas que eu tenho a honra de representar", escreveu Fallon em sua carta de renúncia entregue à primeira-ministra Theresa May.
O conservador Fallon, 65, foi eleito para seu primeiro mandato no Parlamento em 1983 e comandava o Ministério da Defesa desde 2014.
A jornalista em questão afirmou que ela considera o caso encerrado, mas amigos de Fallon sugerem que podem haver incidentes do gênero mais recentes, dizendo que "ele sem dúvida admitiria que alguns dos flertes foram inapropriados".
A renúncia de Fallon ocorre em meio a diversos relatos de mulheres sobre abusos por parte de membros do Parlamento e de assessores, além de integrantes do governo.
May já ordenou uma investigação sobre outro secretário de seu gabinete.
A escritora e acadêmica Kate Maltby disse que o secretário de Estado, Damian Green, 61, espécie de vice-primeiro-ministro, tocou seu joelho e depois mandou uma mensagem "sugestiva" após uma foto dela usando espartilho ser publicada em um jornal.
Green negou a acusação e e classificou a alegação como "profundamente dolorosa".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia