Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Transporte público

Notícia da edição impressa de 08/11/2017. Alterada em 08/11 às 17h35min

'Carris está com os dias contados', diz Marchezan

Gastos com a companhia são estimados em R$ 60 milhões anuais

Gastos com a companhia são estimados em R$ 60 milhões anuais


/MARCO QUINTANA/JC
Suzy Scarton
Embora a assessoria de imprensa da prefeitura de Porto Alegre garanta que nada foi discutido ainda, o prefeito Nelson Marchezan Júnior garantiu, em entrevista à Rádio Guaíba, na tarde de ontem, que a Carris, principal empresa de transporte público da Capital, está "com os dias contados". O prefeito também transmitiu a entrevista ao vivo no Facebook.
Alegando que uma análise financeira da Carris já foi feita, Marchezan explicou que a administração da companhia pela máquina pública é "inviável". Segundo o prefeito, a Carris consome, dos cofres municipais, R$ 60 milhões por ano, "valor que é retirado da saúde e da educação".
De acordo com o prefeito, ainda não se sabe qual será o destino da empresa. "Se vai ser privatização, extinção, licitação das linhas... Enfim, vamos buscar o formato jurídico a partir de agora. A meta sempre foi o interesse público, e, do ponto de vista do interesse público, a administração pela máquina pública não é viável. Temos que buscar alternativas para não ter mais essa despesa de R$ 60 milhões", argumentou. Ele explicou que não há como competir com o setor privado no setor de transporte público, uma vez que os pneus, as peças, a manutenção e as despesas com pessoal são muito altas.
No entanto, para Alceu Weber, membro do Conselho Municipal de Transporte Urbano (Comtu), a Carris é uma empresa viável, sim. "O que torna inviável é a forma de administrar. A gestão atual é ineficiente, administrativamente falando. O prefeito não tem nada de bom gestor, é um bom politiqueiro apenas. Para que dê lucro, é preciso que tenha bons administradores", alega. A declaração de Marchezan, para Weber, se trata de uma defesa da questão. "Ele sabe que isso vai ter que passar pela Câmara (de Vereadores) e que não tem maioria lá."
Mesmo assim, o representante do Comtu acredita que seja necessário repensar a administração da Carris. "Mesmo com toda a precarização e com toda a dificuldade operacional, a empresa ainda é considerada a melhor pelos usuários. O sistema de transporte tem de ser pensado de maneira macro. Ele está em colapso devido a uma série de atitudes, e não adianta correr por meio do preço da passagem, isso só vai espantar o usuário", argumenta Weber.
Para ele, uma das medidas imediatas que poderiam ser tomadas pelo prefeito é a retirada dos funcionários comissionados e dos contratados em regime de cargo de comissão, algo que, na opinião do conselheiro do Comtu, foi o que mais onerou a Carris.
Em 2015, foi aprovada a Emenda Constitucional nº 90, que introduz o transporte como um direito social, ao lado da saúde, da educação e da segurança pública, por exemplo. Por isso, Weber acredita que o argumento de que o dinheiro que seria investido nesses setores está sendo desviado para a Carris não é válido. "Ele não pode dizer que retira dinheiro da educação e da saúde para colocar no transporte público. Ao dizer isso, comete um dos maiores equívocos", rebate.
O representante do Comtu ainda critica a postura da prefeitura de responsabilizar as gratuidades pelo colapso do sistema do transporte público na Capital. O erro, na opinião dele, foi que, quando da aprovação da gratuidade da segunda passagem, deveria ter sido especificado de onde sairia a receita para cobrir esse gasto. A insistência em discutir questões como implementação de ar-condicionado e de GPS também é considerada secundária para Weber. "O usuário quer eficiência, eficácia e efetividade. Se o sistema for assim, o usuário vai optar por ele. Temos de discutir eficácia, não qual fatia vai ser dada ao empresário, que só está interessado na quilometragem, e não na qualidade do serviço", critica.
O Jornal do Comércio procurou a Carris para obter mais detalhes, mas a empresa explicou que a solicitação de informações teria sido encaminhada ao gabinete do prefeito e que as respostas só poderiam ser dadas nesta quarta-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários