Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 30 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Transporte

07/11/2017 - 18h13min. Alterada em 07/11 às 21h39min

Mais de 80% das rodovias gaúchas estão em situação regular a ótima

BR-386 é regular pela avaliação da CNT e tem demanda por duplicação, restrita a parte da rodovia

BR-386 é regular pela avaliação da CNT e tem demanda por duplicação, restrita a parte da rodovia


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Em pesquisa divulgada nesta terça-feira (7), a Confederação Nacional do Transporte (CNT) indica que 81,1% das rodovias do Rio Grande do Sul estão em condições regulares, boas e ótimas, enquanto 18,9% são consideradas ruins ou péssimas. Os dados englobam tanto as estradas públicas como as concedidas à iniciativa privada.
De acordo com o levantamento, 43,3% estão regulares, como a BR-386 - importante caminho de circulação da produção de grãos entre as Missões e Noroeste e Planalto para a Região Metropolitana e o porto do Rio Grande, 33,8% boas e apenas 4% em situação ótima. A BR-290, conhecida como Freeway, está neste conceito. No enquadramento como ruim, estão trechos de rodovias estaduais - RS-332 (Soledade), 377 (Santiago), 471 (Pantano Grande) e 020 (Gravataí-Taquara), e ainda um federal, da BR-470, próximo a Pantano Grande.
> Confira no mapa da CNT e confronte as cores e a situação das estradas:
Azul forte (ótimo), azul claro (bom), amarelo (regular), laranja (ruim) e vermelho (péssimo)
CNT/Divulgação/JC
São consideradas ruins 15,5% das ligações, e péssimas, 3,4%. A fatia de rodovias de condição ótima a regular (81,1%) é quase 10 pontos superior à média nacional (71,8%).
Para a CNT, os trechos concedidos à iniciativa privada possuem melhores condições que as estradas estatais. Ao todo, apenas 7,3% das vias sob administração privada apresentam avaliação ruim e nenhuma foi rotulada como péssima. Nas estatais, são 17,5% ruins e 4,2% péssimas.
Maior ainda é a diferença entre trechos estaduais e federais. Enquanto nos 5,8 mil km de extensão federal analisados, pouco mais de 6% são considerados ruins ou péssimos, nos 3 mil km de vias estaduais as avaliações negativas superam os 43%. Informações mais detalhadas sobre cada rodovia podem ser acessadas no mapa de cada estado, desenvolvido pela CNT.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Renato 30/12/2017 10h08min
A BR-290, no trecho de pista simples, não tem nada de boa. Mal sinalizada e cheia de buracos, principalmente após Arroio dos Ratos. Tanto que não é incomum ver vários veículos parados no acostamento com problemas causados pelos buracos na estrada.
CID VANDERLEI KRAHN 08/11/2017 09h50min
Não entendo como uma estrada como a BR 472, pela qual trafego muito, e é um tormento para os carros e passageiros (está mais para pista de testes de suspensões automotivas e para as colunas dorsais dos viajantes) foi classificada como "estar em BOM estado. O grau de exigência, a régua dos "avaliadores" está em nível baixíssimo. Para comparar, basta atravessar a fronteira e ver na Argentina o que é estrada BOA. Aliás, as deles, por estes critérios, estariam todas numa categoria EXCELENTE PLUS.