Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 02 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Alterada em 02/11 às 09h34min

Hospitais do Rio terão de instalar câmeras em UTI

Todos os hospitais do Rio de Janeiro, públicos e particulares, deverão ter câmeras nos leitos das unidades de tratamento intensivo (UTIs) funcionando 24 horas por dia. A decisão foi tomada pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado, que negou nesta segunda-feira (30), um pedido de contestação da Prefeitura.
A Lei 5.714, proposta pelo ex-vereador Doutor Gilberto Lima (PMN), já havia sido promulgada pela Câmara Municipal. A prefeitura, no entanto, acionou a Justiça por considerar que a lei violaria a separação dos poderes, geraria gastos consideráveis e iria ferir o valor da livre iniciativa ao obrigar hospitais privados a instalar as câmeras.
O desembargador e relator Custódio de Barros Tostes negou o pedido e decidiu que a norma é constitucional, pois garante a segurança dos pacientes e a transparência do atendimento médico. Além disso, segundo o magistrado, o ônus gerado pela medida é 'insignificante' se comparado ao ganho para o interesse público coletivo.
Quanto aos hospitais particulares, Tostes lembrou que cabe à iniciativa privada se adequar às leis para garantir o bem coletivo. O texto da lei prevê que serão monitorados não apenas os leitos, mas também as áreas de manipulação de medicamentos e materiais. Será responsabilidade do hospital o armazenamento e proteção das imagens obtidas, que só poderão ser fornecidas mediante a solicitação de uma autoridade.
As gravações também deverão ficar disponíveis em banco de dados por até 180 dias após a alta do paciente. Os hospitais terão 60 dias para se adequar às mudanças. A multa para quem descumprir a regra é de R$ 10 mil por dia. Questionada sobre a decisão do Tribunal de Justiça, a Prefeitura do Rio informou, em nota, que ainda não foi intimada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia