Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Libertadores

Alterada em 21/11 às 19h31min

Portaluppi volta a fechar treino e mantém mistério no Grêmio na véspera da final

O técnico Renato Gaúcho só vai confirmar a escalação do Grêmio para a primeira partida da decisão da Libertadores momentos antes do duelo diante do Lanús, quarta-feira, na Arena. Nesta terça, o comandante tricolor voltou a fechar o treino à imprensa e escondeu os 11 que irão a campo.
O Grêmio trabalhou novamente na Arena, mas a imprensa foi impedida de acompanhar a atividade. Quando a entrada foi permitida, os jogadores já praticavam cobranças de pênalti. Edilson, Arthur, Luan, Fernandinho, Everton e Lucas Barrios eram os batedores.
São duas as dúvidas no Grêmio. No setor defensivo do meio de campo, o antigo titular Michel disputa a vaga com Jaílson, que o substituiu durante sua lesão e foi bem. Já no ataque, Everton tem entrado bem e pode conquistar o lugar de Fernandinho, que não é unanimidade entre a torcida.
"Eu monto minha equipe em cima dos jogadores que eu tenho, de suas qualidades. A gente sempre fez isso, desde que cheguei aqui E sempre digo para eles: todo jogador vai ter sua oportunidade, então, aproveitem. Dependendo do que fizer no treino e nas partidas, vai começar a partida ou não. Tem jogadores que poderiam começar tranquilamente o jogo de amanhã, mas só podem 11. Então, vou pela minha cabeça", disse Renato.
O Grêmio luta por seu terceiro título na Libertadores - os outros foram em 1983 e 1995 - e Renato tenta conter a ansiedade de seus jogadores. "É passar muita tranquilidade e muita confiança para meu grupo, não tem o que mudar. Tento lembrar tudo que fizemos ao longo do ano. A ansiedade é normal, mas já pensei nisso. Temos um pouco mais de 24 horas para aguardar a hora chegar, mas o mais importante é que meu grupo está preparado."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia