Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

reforma da previdência

Alterada em 30/11 às 20h48min

Eunício diz que tramitação da Previdência é, por ora, assunto da Câmara

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), evitou fazer comentários sobre a reforma da Previdência, nesta quinta-feira (30), e disse que é preciso esperar a apreciação do texto na Câmara. Segundo Eunício, o sistema é bicameral e é preciso "respeitar" a tramitação da outra Casa. "Quem deve se manifestar sobre essa matéria é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ)", desconversou.
Focado em apresentar uma agenda positiva até o final do ano, Eunício afirmou que dará prioridade para a área de microeconomia. "Nós temos hoje cerca de 90% dos empregos gerados no Brasil por pequenas, médias e micro empresas e elas têm muita dificuldade na burocracia", avaliou. Para ele, o resultado do Grupo de Trabalho de Reformas Microeconômicas, da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), servirá "para permitir que as pessoas tenham facilidade para instalar sua empresa, gerar emprego e renda, e facilitar a vida do contribuinte brasileiro".
De acordo com Eunício, a agenda positiva será apresentada aos líderes partidários na próxima terça-feira, 5. A partir dessa data, os senadores poderão oferecer sugestões de mudanças aos projetos sugeridos pelo Grupo de Trabalho coordenado pelo senador Armando Monteiro (PTB-PE).
Eunício também ressaltou que parte da agenda nas próximas semanas será voltada para a área de segurança pública. A senadora Simone Tebet (PMDB-MS) foi escolhida para ser relatora do pacote de segurança em análise na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) - das 35 matérias selecionadas, dez estão prontas para votação na comissão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia