Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Balanços

Notícia da edição impressa de 01/12/2017. Alterada em 30/11 às 21h39min

Lucro líquido da Caixa salta 159% no 3º trimestre

Números levam em conta apenas atividades exclusivamente bancárias

Números levam em conta apenas atividades exclusivamente bancárias


/ANA PAULA APRATO/ARQUIVO/JC
A Caixa Econômica Federal registrou lucro líquido de R$ 2,2 bilhões no terceiro trimestre deste ano, cifra quase 159% maior do que a informada em igual intervalo de 2016, de R$ 837,546 milhões. Os números foram divulgados pelo Banco Central (BC), que considera apenas as atividades exclusivamente bancárias. Já os balanços das instituições financeiras levam em conta outros negócios, como seguros.
A própria Caixa ainda não divulgou os resultados do terceiro trimestre. Procurado, o banco não quis fazer comentários sobre o seu desempenho no período.
A carteira de crédito da Caixa encerrou setembro em cerca de R$ 700 bilhões, alta de 1,9% em um ano, quando o saldo, conforme o BC, estava em R$ 688 bilhões. Já na comparação com três meses antes, de R$ 704 bilhões, os empréstimos do banco público encolheram 0,4%. No critério classificada, a carteira de crédito da Caixa somou R$ 712,065 bilhões, elevação de 1,78% em um ano, quando estava em R$ 699,6 bilhões, mas queda de 0,53% na comparação com junho, quando marcava R$ 715,9 bilhões.
Um dos impulsos para a melhora do resultado da Caixa no terceiro trimestre foi a redução dos gastos com calotes. O resultado de provisão para devedores duvidosos, as chamadas PDDs, foi a R$ 3,203 bilhões no terceiro trimestre, redução de 37,3% ante os R$ 5,105 bilhões anotados um ano antes. Em relação ao montante registrado em junho último, de R$ 9,733 bilhões, a queda passou dos 67%.
Já o saldo de provisões da Caixa foi a R$ 35,318 bilhões de julho a setembro, queda de 2,5% em relação ao mesmo intervalo do ano passado, quando estava em R$ 36,232 bilhões. De julho a setembro, as receitas com serviços e tarifas da Caixa totalizaram R$ 6,299 bilhões, aumento de 11,64% em relação ao visto um ano antes, de R$ 5,642 bilhões.
Do outro lado, as despesas da Caixa com pessoal e administrativas totalizaram R$ 8,170 bilhões, praticamente estável em relação aos R$ 8,150 bilhões registrados um ano antes.
O banco público encerrou o mês de setembro com R$ 1,271 trilhão em ativos totais, cifra 3,48% superior à vista um ano antes, de R$ 1,232 trilhão.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia