Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 30/11/2017. Alterada em 30/11 às 10h24min

Liberada venda de ações do Banrisul para estrangeiros

Temer liberou venda a estrangeiros, e banco teve de explicar declarações de Cairoli

Temer liberou venda a estrangeiros, e banco teve de explicar declarações de Cairoli


JONATHAN HECKLER/Arquivo/JC
O presidente da República, Michel Temer, assinou, nessa quarta-feira (29), decreto que permite a venda de papéis do Banrisul para estrangeiros. A informação foi divulgada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, pelo seu Twitter, e ele ainda acrescentou se tratar de "uma boa notícia para os gaúchos".
Nessa quarta também, o Banrisul se pronunciou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) sobre as declarações dadas na terça-feira pelo vice-governador José Paulo Cairoli. Segundo Cairoli, a venda de ações do banco pelo governo do Estado deve ser concluída até 14 de dezembro. Em resposta a questionamento da autarquia, o Banrisul afirma que não há qualquer cronograma indicativo sobre a oferta.
"Acreditamos que uma vez ultrapassadas tais questões, e observadas as condições vigentes nos mercados financeiro e de capitais, o Estado do Rio Grande do Sul, acionista controlador da Companhia, poderá tomar sua decisão final sobre a realização da operação, que será objeto de Fato Relevante, onde constarão os termos e condições gerais da Oferta", diz o Banrisul. O Estado fará um road show para investidores estrangeiros nos Estados Unidos, Inglaterra e da Ásia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia