Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

Notícia da edição impressa de 30/11/2017. Alterada em 29/11 às 21h11min

Índice do aluguel sobe 0,52% em novembro; no ano, queda é de 1,40%, mostra pesquisa

Usado no reajuste de aluguéis, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) subiu para 0,52% em novembro, depois de uma alta de 0,20% em outubro. No acumulado desde janeiro, a taxa permaneceu em queda (-1,40%). Também foi mantido o recuo em relação aos últimos 12 meses (-0,86%).
O levantamento divulgado ontem foi feito pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), usando dados coletados entre os dias 21 de outubro e 20 de novembro. O resultado é o avanço de preços no setor atacadista.
O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) passou de uma variação de 0,16% para 0,66%, com destaque para o subgrupo combustíveis para o consumo, com elevação de 1,70% para 9,17%.
Já o subcomponente matérias-primas brutas, em que estão incluídas as commodities (produtos primários com cotação no mercado internacional), teve retração de 0,68%, porém menos expressiva do que a queda na pesquisa anterior (-1,05%).
Entre os itens em que foram constatadas mudança na direção de reajustes estão leite in natura (de -7,22% para -3,76%), mandioca (de -0,53% para 5,91%) e aves (1,80% para 4,19%). No mesmo período, perderam força os aumentos de milho (de 10,75% para 5,09%) e laranja (de 5,70% para 1,39%), e, no caso dos bovinos, os preços recuaram 1,33%, ante uma alta de 0,76%.
No varejo, foi observada estabilidade. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) manteve-se em 0,28%. Houve pressões no grupo habitação com alta significativa de 0,77% ante 0,31%, puxado por conta de luz (de 0,92% para 3,93%); transportes (de 0,15% para 0,62%); e saúde e cuidados pessoais (de 0,33% para 0,40%).
Em relação ao Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), ocorreu aumento de 0,28%, um pouco acima do registrado entre setembro e outubro (0,19%). Essa elevação foi influenciada pelo conjunto de materiais, equipamentos e serviços (de 0,44% para 0,61%).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia