Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 29/11/2017. Alterada em 28/11 às 22h49min

Petrobras entrará no nível 2 de governança da B3 em até 20 dias, diz diretor

A Petrobras vai ingressar no nível 2 de governança corporativa da B3 nos próximos 15 a 20 dias, informou o diretor de Governança e Conformidade da companhia, João Elek, após participar do 38º Congresso Brasileiro de Auditoria Interna (Cobrain).
O executivo disse que a Petrobras já cumpriu a sua parte e agora só aguarda o anúncio da bolsa para mudar de nível, apesar de a migração não significar que o acionista preferencialista ganhará direito de voto, como ocorre em empresas que atingem o nível 2 de governança corporativa.
"Antes de ocorrer a assembleia, o ponto de vista dele (acionista preferencialista) será divulgado no edital, ele poderá inclusive influenciar a assembleia", explicou Elek. Ele lembrou que a Petrobras foi criada por uma lei que impede que o acionista preferencialista tenha direito a voto, mesmo após três anos de prejuízo seguido, como ocorre com outras empresas.
"A ação preferencial jamais terá direito a voto na Petrobras, mas eu achei que devíamos ir para o nível 2, porque é bom para a companhia, reforça a minha gestão", disse o diretor. Dessa maneira, o acionista preferencialista será chamado a opinar e no edital de convocação da assembleia que for decidir sobre assuntos societários mais complexos, como fusões e aquisições, por exemplo. "Tivemos muita moção junto à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e à Bovespa, agora B3, para isso", informou o executivo.
Elek disse ainda que, neste ano, termina um trabalho iniciado com a sua chegada, em 2015, de eliminar todas as fraquezas materiais (deficiências graves na gestão) da Petrobras. Na época, eram nove casos, informa. Hoje, são apenas três, que deverão ser solucionadas até o fim deste ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia