Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Conjuntura

Alterada em 28/11 às 08h49min

Confiança do comércio cai 0,1 ponto em novembro ante outubro, revela FGV

Houve piora na confiança em oito dos 13 segmentos pesquisados

Houve piora na confiança em oito dos 13 segmentos pesquisados


FREDY VIEIRA/JC
O Índice de Confiança do Comércio (Icom) teve ligeiro recuo de 0,1 ponto na passagem de outubro para novembro, para 92,4 pontos, informou na manhã desta terça-feira (28) a Fundação Getulio Vargas (FGV). Nos dois meses anteriores, o índice tinha acumulado um crescimento de 10,1 pontos.
"O resultado de novembro pode ser interpretado como uma relativa acomodação da confiança do comércio após dois meses em forte elevação", avaliou Rodolpho Tobler, coordenador da Sondagem do Comércio no Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.
Houve piora na confiança em oito dos 13 segmentos pesquisados. O Índice de Situação Atual (ISA-COM) caiu 0,8 ponto em novembro, para 85,4 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE-COM) avançou 0,7 ponto, atingindo 99,9 pontos.
"A queda do Índice da Situação Atual mostra que a recuperação da economia continua ocorrendo de forma gradual. Já a sustentação da alta do Índice de Expectativas reforça o diagnóstico de manutenção da tendência de retomada do setor no ano, sob influência da inflação baixa, do ciclo de redução das taxas de juros e da melhora recente da confiança dos consumidores", completou Tobler.
Entre janeiro e novembro de 2017, o ICOM subiu 13,5 pontos, enquanto no ano passado a alta foi de 9,7 pontos no mesmo período. Há ainda uma diferença qualitativa entre o desempenho de 2016 e de 2017: no ano passado, mais de 91% do crescimento do indicador foram motivados pela melhora das expectativas; em 2017, houve um avanço mais expressivo do ISA-COM, responsável por 62,4% da alta do ICOM no período.
A coleta de dados para a edição de novembro da Sondagem do Comércio foi realizada pela FGV entre os dias 1º e 24 do mês e obteve informações de 1.181 empresas.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia