Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

TECNOLOGIA

Notícia da edição impressa de 28/11/2017. Alterada em 27/11 às 23h29min

Google Play é alvo de vírus que rouba dados bancários

Especialistas aconselham a baixar aplicativos que sejam estritamente necessários e verificar a nota deles

Especialistas aconselham a baixar aplicativos que sejam estritamente necessários e verificar a nota deles


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
Um vírus que rouba dados bancários, o BankBot, foi encontrado na Google Play - loja de aplicativos do Android - pela terceira vez neste ano. O malware vem junto com aplicativos aparentemente inofensivos, como "Tomado FlashLight", "Lamp for DarkNess" e "Sea FlashLight" (lanternas), "Crypto Currencies Market Prices" (informações sobre criptomoedas), entre outros disfarces.
Depois de instalado no celular, o vírus, espécie de cavalo de Troia (que se esconde no momento da instalação), cria uma interface falsa em aplicativos bancários. Assim, quem entrar no aplicativo do seu banco e preencher a senha estará cedendo seus dados aos invasores.
Segundo o Avast, empresa de antivírus que detectou a falha, o problema afetou usuários dos bancos WellsFargo, Chase, DiBa e Citibank. São 160 aplicativos bancários que podem ser alvos do malware.
O BankBot foi encontrado entre os apps da Google Play em abril, setembro e, novamente, em novembro.
Procurado, o Google respondeu por meio de nota. "Levamos a segurança muito a sério na Google Play e atualmente estamos investigando a situação para proteger os usuários", afirma a empresa.
A Play Store já removeu todos os aplicativos identificados como "disfarces" do BankBot, mas os hackers podem criar apps com nomes de desenvolvedores diferentes a qualquer momento.
Os especialistas recomendam que, para se precaver, o usuário não dê permissões para aplicativos de origem desconhecida. Além disso, não deve baixar apps que não sejam estritamente necessários (a lanterna, por exemplo, é um recurso que vem embutido na maioria dos celulares). Também deve ser verificada a classificação (nota) do app atribuída pelos demais usuários, e não deve ser dada permissão de "administrador" para um app se ele não for absolutamente confiável. Além disso, se a interface do app do seu banco parecer estranha, o recomendado é não usá-la.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia