Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 27/11 às 16h59min

Ouro fecha em alta, com dólar mais fraco e Coreia do Norte no radar

O contrato futuro de ouro fechou em alta nesta segunda-feira, impulsionado pelo dólar mais fraco e pela possibilidade de um novo lançamento de míssil a ser realizado pela Coreia do Norte.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato de ouro para dezembro fechou em alta de 0,55%, a US$ 1.294,40 por onça-troy.
"Agora é tudo sobre o dólar", disse o estrategista sênior de mercados da RJO Futures, Bob Haberkorn. No início da sessão desta segunda-feira, o ouro apresentou leves ganhos, refletindo a queda marginal do dólar ante outras moedas fortes, como iene e euro, com os investidores esperando por importantes eventos na semana, como a sabatina de Jerome Powell para a presidência do Federal Reserve e o depoimento da atual presidente da instituição, Janet Yellen, no Congresso.
Além disso, os investidores monitoram o andamento da reforma tributária nos EUA, com a votação do projeto dos senadores republicanos planejado para ocorrer na próxima quinta-feira no plenário do Senado. Dados importantes, com inflação e Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre também são esperados.
Durante a tarde, o ouro ampliou os ganhos de mais cedo, com investidores dirigindo-se a ativos considerados mais seguros, como o metal precioso, após a rede de TV japonesa TBS informar que o governo japonês está atento a movimentações na Coreia do Norte que indicam a possibilidade de novos lançamentos de mísseis balísticos. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia