Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 27/11 às 15h44min

Bolsas da Europa fecham em baixa, puxadas por preços das commodities

Os mercados acionários europeus fecharam majoritariamente em baixa nesta segunda-feira, atingidos pelos preços das commodities, que puxaram para o terreno negativo ações de mineradoras e petroleiras. A política alemã também esteve no radar.
O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em queda de 0,38% (-1,48 ponto), aos 385,15 pontos.
Em um dia sem indicadores relevantes na Europa, os investidores novamente dirigiram sua atenção à política. A avaliação de que, na Alemanha, as negociações entre o bloco conservador da chanceler Angela Merkel e o Partido Social-Democrata (SPD, na sigla em alemão), de Martin Schulz, se encaminham para terminar um impasse em torno da coalizão do próximo governo deu novo gás aos investidores, que aguardam importantes eventos ao longo da semana, como a votação da reforma tributária no Senado dos Estados Unidos e a audiência de confirmação de Jerome Powell como o próximo presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Com isso, no início dos negócios, as bolsas europeias operaram no campo positivo.
Para o analista-chefe de mercados da CMC Markets, Michael Hewson, parte do motivo da polarização na política alemã "pode estar no fato de que, nos últimos 12 anos, realmente não importava em qual partido você votou porque sempre terminou com Angela Merkel. Isso pode explicar a relutância de alguns setores do SPD para voltar à coalizão com o bloco conservador e também explica o motivo da política na Alemanha estar se fragmentando".
Com uma nova união na Alemanha, o euro voltou a ganhar fôlego e renovou máxima em dois meses contra o dólar. O índice DAX, da bolsa de Frankfurt, teve alguns de seus ganhos inibidos durante a tarde e o movimento altista foi apagado por um encerramento em baixa de 0,46%, aos 13.000,20 pontos. Isso se deveu ao peso das commodities, que operaram majoritariamente em baixa. A E.ON, por exemplo, caiu 0,20%, enquanto o Deutsche Bank perdeu 2,12%.
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou na mínima, em queda de 0,35%, aos 7.383,90 pontos. A Royal Dutch Shell perdeu 0,94% e a BP cedeu 1,02%. Entre as mineradoras, a BHP Billiton fechou em baixa de 1,28% e a Rio Tinto caiu 1,20%.
Em Paris, o índice CAC-40 fechou em queda de 0,56%, aos 5.360,09 pontos, enquanto o índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, recuou 1,07%, aos 22.176,70 pontos. Na bolsa de Madri, o índice Ibex-35 destoou dos demais e subiu 0,10%, aos 10.063,10 pontos, enquanto o índice PSI-20, da bolsa de Lisboa, cedeu 0,40%, aos 5.262,22 pontos. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia