Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Crédito

Alterada em 27/11 às 15h21min

BC reduz para 1 dia útil prazo para compensação de cheque de pequeno valor

Entre março de 2005 e outubro de 2017, número de cheques processados mensalmente caiu a 42 milhões

Entre março de 2005 e outubro de 2017, número de cheques processados mensalmente caiu a 42 milhões


JOÃO MATTOS
O prazo para compensação de cheques de pequeno valor cairá pela metade. Uma decisão do Banco Central reduziu o período para a liquidação dos cheques de até R$ 300 de dois dias úteis para um dia. Na decisão, o BC unificou processos e acabou com os prazos diferentes para liquidação. Atualmente, cheques de até R$ 300 são liquidados em até dois dias úteis. Para valores superiores, a operação já era concluída em até um dia.
O BC explica que a redução do uso desse meio de pagamento faz com que não seja mais justificável a existência de prazos diferentes para a compensação. Segundo o BC, entre março de 2005 e outubro de 2017 o número de cheques processados mensalmente caiu de 170 milhões para 42 milhões. Ou seja, redução de 75%.
Enquanto o volume de cheques compensados caiu drasticamente, o uso do cartão cresceu exponencialmente. Desde o início de 2008, o volume trimestral faturado no cartão de débito saltou 405%, para R$ 123,67 bilhões no quarto trimestre de 2016. Já na função crédito, o montante processado aumentou 271%, para R$ 184,65 bilhões nos últimos três meses do ano passado, segundo o BC.
A Circular 3.859 publicada pelo BC prevê prazo de até 180 dias para que bancos e Centralizadora da Compensação de Cheques (Compe) se adaptem às novas regras.
Em nota, o BC diz que as mudanças permitirão "ganho de eficiência e redução de custos, operacionais e financeiros, para todo o sistema". "As alterações seguem o esforço do BC de aprimorar os vários instrumentos de pagamentos, tornando-os mais seguros e eficientes para o usuário", cita a nota.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia