Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Conjuntura internacional

Alterada em 27/11 às 14h47min

UBS diz que fim do Nafta afetaria Volkswagen duramente

A ameaça do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de se retirar do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês) deve ser apenas uma tática de negociação, afirmou o analista Colin Langan, do UBS. Caso os EUA de fato se retirem, isso afetará seriamente as fabricantes de automóveis domésticas e estrangeiras, acrescenta ele.
Além das chamadas "Três de Detroit" - a General Motors, a Ford e a Fiat Chrysler -, a Volkswagen seria uma das mais afetadas pela ruptura. Langan lembra que a montadora alemã é a maior importadora líquida para os EUA, na comparação com suas concorrentes europeias.
Caso os EUA sigam no Nafta, uma elevação proposta na parcela do carro que precisaria ser produzida na área do Nafta ainda representaria um risco grande para a Volks, enquanto a Daimler e a BMW estariam menos expostas, segundo o analista.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia