Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Construção civil

28/11/2017 - 10h40min. Alterada em 28/11 às 12h50min

Solarium constrói em Guaíba quarta unidade no País

Obras da fábrica em Guaíba serão concluídas até dezembro para começo de produção em 2018

Obras da fábrica em Guaíba serão concluídas até dezembro para começo de produção em 2018


Solarium/Divulgação/JC
Marysol Cooper
A Solarium revestimentos entregará até o fim de dezembro sua segunda fábrica no Rio Grande do Sul, quarta na operação nacional e que vai duplicar a capacidade de produção da empresa em solo gaúcho. A indústria de revestimentos que atua com linhas para mercados de classes A e B já contava com uma planta em Porto Alegre, sede do negócio e, a partir de 2018, vai dar o pontapé inicial na execução em Guaíba, distante 30 quilômetros da Capital. As obras começaram em maio e envolvem investimento de mais de R$ 4 milhões.
O terreno, com seis mil metros quadrados sendo 2,2 mil metros quadrados de área construída, foi cedido pela prefeitura da cidade. Além da empresa de materiais para construção civil, mais quatro operações receberam área. "Vamos ser os primeiros a concluir as obras", diz a presidente da Solarium, Ana Cristina de Souza Gomes. As outras fábricas estão em São Bernardo do Campo, em São Paulo, e Brasília. As três somam 150 empregados. A nova operação deve elevar em 50% o quadro no Estado, sendo que as primeiras contratações para Guaíba já foram disparadas. "Queremos abrir vagas para moradores de Guaíba como forma de retribuição à doação feita pela prefeitura", diz a empresária.
“Por ano, produzimos 80 mil metros quadrados de revestimentos e nosso objetivo é duplicar esse número no Estado", afirma a presidente da Solarium. A marca fornece produtos para áreas internas, externas, paredes, jardim, piscina, assentamento e limpeza. Para Ana Cristina, o retorno de vendas deve começar após firmar contratos com novos compradores. A fábrica fica às margens da BR-116, no Distrito Industrial de Guaíba, próximo ao campus da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra).
O foco é ampliar também o poder de fogo no mercado externo com a nova produção. A Solarium abriu frentes externas nos anos recentes, até para compensar o recuo no mercado doméstico, abalado pela crise desde 2015 e com maior intensidade a partir de 2016. Os principais clientes externos estão nos Estados Unidos, Paraguai, Peru, Angola e Uruguai. "As exportações ajudaram a amenizara  queda interna", observa a presidente da empresa, que projeta fechar o ano com receita geral no mesmo nível de 2016. "Em 2017, abrimos Peru e Paraguai", diz. O exterior responde por 10% a 15% da receita total. O grupo atua com segmentos focados em design, qualidade e maior valor, com entrada na construção civil em Miami e Nova Iorque. 
Ana Cristina observa que, entre 2016 e 2017, a empresa teve de cortar custos e tamanho. Em pessoal, o enxugamento foi de 20%. O segmento corporativo, que responde por 60% da demanda do negócio, foi o que mais sentiu a crise, diz. "Na metade de 2017, chegamos ao fundo do poço, a partir daí parou de cair. Já sentimos que está começando a retomada, com lançamentos de projetos em construção e reações diferentes em cada mercado no País. O ano de 2018 vai ser difícil ainda, mas 2019 será bem melhor", aposta a empresária. "Estamos bem estruturados para quando a crise passar." O maior volume de produção fica na unidade no estado paulista.                              
Ficha técnica
Investimentos e planos da Solarium Revestimentos:
  • Investimento na quarta fábrica: R$ 4 milhões
  • Área total de construção: 2,2 mil metros quadrados em terreno de 6 mil metros quadrados
  • Onde: Distrito Industrial de Guaíba, próximo à Ulbra, 30 quilômetros de Porto Alegre
  • Empregos: cerca de 70 vagas diretas
  • Capacidade: fábrica vai duplicar a produção hoje em 80 mil metros quadrados ao ano
  • Mercados que atende: nacional, Estados Unidos, Paraguai, Peru e Angola. Vai ampliar ao Uruguai com nova unidade
  • Outras unidades: Porto Alegre, São Bernardo do Campo (SP) e Brasília
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia